Era o que Faltava

Temporada 3

2021-10-05

Bárbara Ramos Dias (com Exclusivo Online)

“Um paciente disse-me assim: ‘O quê? Uma psicóloga separa-se? É porque não é boa!’”

A psicóloga e autora do livro “Guia de Cabeceira para Pais Desesperados” esteve no Era o Que Faltava e falou sobre o estigma que ainda existe contra psicólogos clínicos que se separam: “Estive casada durante 16 anos, um paciente disse-me assim: “O quê? Uma psicóloga separa-se? É porque não é boa!” portanto lá está o julgamento”. Bárbara Ramos Dias explica que por ter “três filhos e um marido maravilhoso” as pessoas não compreendem a separação.

Na vida profissional, Bárbara Ramos Dias é “apaixonada por adolescentes” e diz que, muitas vezes, o que eles precisam é de atenção e carinho. Quando fala com os pais diz-lhes para abraçarem os filhos, mas recebe quase sempre a mesma resposta: “ah não porque eles fogem e encolhem-se todos!”, é normal, são adolescentes”.

A psicóloga explica que “se vocês abraçarem eles são capazes de fazer isso no primeiro dia, no segundo faz menos e no terceiro já corresponde. Somos nós adultos que temos de lhes ensinar. É normal que um adolescente já faça assim aquele movimento de fugir. Nós é que temos de mudar o nosso comportamento porque nós somos o espelho”.

Nas múltiplas consultas que teve com adolescentes, Bárbara Ramos Dias ouviu várias vezes a frase: “cada vez que vamos para a sala é para discutir, então não vale a pena, prefiro estar no meu cantinho”. A psicóloga explica que o problema “é que na sala e é só discussões e cada um no seu telemóvel, porque os pais acabam também por estar nos telemóveis, então porque é que nós (adolescentes) não podemos estar?”.

Nesta conversa, o tema das notas baixas na escola não ficou de fora. Bárbara Ramos Dias explicou a melhor forma de abordar os adolescentes nessa situação: “Em vez de: “O quê? Só tiveste 50?!”, dizer: “Olha que bom, tiveste 50! Eu vi que tu estudaste, para a próxima vais conseguir melhor!”. O facto de nós estarmos a dizer que para a próxima vai correr melhor e o “eu vi-te a estudar”, mesmo que não tenhamos visto, vai reforçar pela positiva. Não é aldrabar, é motivar.”