O Brasil antes de Jesus e depois de Jesus

O Flamengo caminho a passos largos para o título no campeonato e está (quase 40 anos depois) na final da Libertadores. Os recordes do português que revolucionou o Brasileirão em apenas três meses.

Paulo Rico
28 outubro 2019, 11:15

Nunca fez tanto sentido falar num antes e num depois de Jesus como agora.

A aventura do treinador português em terras brasileiras começou debaixo de enorme desconfiança e pior ficou quando só ganhou um dos primeiros cinco jogos oficiais.

O afastamento da Taça do Brasil, aos pés do Atlético Paranaense, no desempate por grandes penalidades, custou a digerir e mais críticas surgiram depois da derrota para a Libertadores, no Equador, com o Emelec, por 2-0. Só a cambalhota na eliminatória (também no desempate por grandes penalidades) atenuou o desconforto dos adeptos, que a partir daí (quase) só tiveram motivos para festejar.

 

 

Daí para cá, é a história que se conhece! De 3º a 5 pontos do líder, cavalgou até à liderança isolada no Brasileirão e cavou um fosso quase irremediável para a concorrência. Depois de uma série-recorde de oito vitórias seguidas no campeonato e de 13 vitórias (e um empate) em 14 jornadas, o Flamengo tem agora uma almofada de 10 pontos de vantagem sobre o 2º classificado, vencendo os principais rivais na luta pelo título

Em dois meses e meio, tudo mudou também na Libertadores. O futebol praticado passou a ser respeitado e o Flamengo passou a ser temido não só no Brasil mas além-fronteiras. Depois de deixar o Emelec pelo caminho, seguiram-se Internacional e Grémio, com empates em Porto Alegre e vitórias convincentes em casa. Próxima etapa: a final da Libertadores, quase 40 anos depois, com o River Plate.

 

 

 

Em dois meses em meio, apenas duas derrotas em 24 jogos, sendo que uma delas foi revertida na Libertadores, com o Emelec. A 11 jornadas do fim, e com avanço significativo, o Flamengo está a mês e meio de poder escrever uma página de ouro na sua história, com grande influência portuguesa. Todos os sites de apostas esportivas (como "falam" no Brasil) fazem fé que esta é mesmo a hora de Jesus.