2.º dia de NOS Alive: música gira e descontraída, gente contente e gelados grátis. Querem melhor?

Years & Years abrem o segundo dia de Alive no palco NOS. E que bem que o fizeram.

Daniela Azevedo
08 julho 2016, 19:30
Excelente ambiente na segunda tarde mais quente do ano (não faço ideia se é mas assim parece) no segundo dia de festival NOS Alive. Muita gente jovem a esta hora, num ambiente onde os sorrisos e os abraços sinceros de quem parece ter encontro marcado pautam as relações humanas. As musicais, começam no palco NOS como um verdadeiro abanico musical: frescos, felizes e sem cuidados estéticos espampanantes assim são os ingleses Years & Years.

Formada em 2010, a banda teve esta tarde a sua estreia em Portugal que, para eles, «é um lugar mais bonito onde já tocámos». Numa sonoridade que mistura o electro pop com o house, controlar o corpo que teima em mexer-se é uma tarefa difícil à brava enquanto o cantor Olly Alexander, também compositor e actor, dá autênticos pulinhos de alegria enquanto nos sublinha que está mesmo feliz por estar aqui, no Alive. Caramba, isso passa para o público e de que maneira. Dou por mim com vontade de distribuir free hugs a toda a gente. 'Take Shelter', o quarto single da banda, de 2014, e aquele que terá o gostinho especial de lhes ter valido o contrato com a Polygram.

De cada vez que o jovem diz que é a primeira vez que estão em Portugal a voz quase se some, tal é a emoção que realmente denota. ‘Worship’ é cantada pelos fãs mais atentos (a caminho de mais uma cerveja vejo um que continua a cantarolar a letra), mesmo sendo já das mais recentes: do álbum “Communion” do ano passado. Muito giros estes miúdos. Quer dizer... não no sentido estético... pronto também! Vá, vocês perceberam.

Quem tiver uma t-shirt dos Radiohead, mesmo que amarelada na gola e já mais apertadita na barriga, hoje é o dia ideal para a tirar do armário porque a banda que ficará para sempre associada ao mega-êxito 'Creep' é hoje o nome grande do palco NOS e, portanto, já garante fãs entre o público. Aliás, nas filas da frente já se lê 'Creep' em cartazes. A ver vamos se temos sorte.

Importante dizer ainda que, de facto, há mesmo gelados grátis. E artesanais. E com um sabor único. Onde e porquê? No stand da Rádio Comercial e tudo o que é preciso é que se deixe mergulhar em bolinhas de plástico. É fixe, confie e um geladinho grátis e de qualidade sabe sempre bem.

Foto: Arlindo Camacho