Ouça a Rádio Comercial, faça o download da App.

Trabalhos na Avenida Gustavo Eiffel no Porto vão durar cerca de 20 dias

A circulação do trânsito vai permanecer cortada.

Trabalhos na Avenida Gustavo Eiffel no Porto vão durar cerca de 20 dias
Redação / Agência Lusa

Os trabalhos de retirada dos elementos da derrocada que ocorreu na terça-feira na Avenida Gustavo Eiffel, no Porto, vão demorar cerca de 20 dias, adiantou a Câmara do Porto, acrescentando que, por enquanto, a circulação permanece cortada.

Num esclarecimento enviado esta quinta-feira, a autarquia esclarece que os trabalhos de intervenção na escarpa para retirar os elementos da derrocada iniciaram-se esta manhã e vão dividir-se em duas etapas, com uma duração estimada de 20 dias.

Numa fase inicial, que deverá demorar três a quatro dias, os trabalhos vão demolir de forma controlada "os elementos em risco de queda, com o recurso a uma auto-grua de grandes dimensões e alcance".

Durante esse tempo, permanece o corte total da circulação de trânsito e o acesso condicionado a peões na Avenida Gustavo Eiffel.

Já a segunda fase dos trabalhos, que a autarquia prevê que demore cerca de 15 dias, vai retirar do local os elementos demolidos, bem como "realizar provisoriamente os movimentos de terra adequados".

Durante esta segunda fase e só se existirem condições de segurança, é que a autarquia pondera a abertura da faixa de rodagem do sentido oposto à derrocada "com possibilidade de trânsito em ambos os sentidos, controlado por semáforos provisórios", adianta.

A derrocada aconteceu na terça-feira pelas 09h50 nas traseiras do Hotel Eurostar Porto Douro, devido à acumulação de água, em consequências das chuvas das últimas semanas, revelou a Câmara do Porto.

A circulação foi cortada na terça-feira, pelas 14h30, no troço entre a ponte Luís I e o posto de abastecimento de combustível existente na marginal ribeirinha, sendo o acesso apenas permitido a hóspedes e funcionários do hotel.

A derrocada atingiu dois quartos do aparthotel daquela unidade hoteleira, sem causar vítimas.