Euro... recordação: as canções eurovisivas que ainda sabemos de cor

Este sábado, é a final da 66ª edição do concurso que existe desde 1956. Recordamos uma série de canções que fizeram história eurovisiva.

Euro... recordação: as canções eurovisivas que ainda sabemos de cor
Redação

Estamos em contagem decrescente para a grande final da Eurovisão 2022. A noite de todas as decisões é a de sábado, dia 14 de maio. 25 canções - incluindo a de Portugal - vão atuar novamente na Pala Olimpico, em Turim, Itália. Portugal, Bélgica, República Checa, Azerbaijão, Polónia, Finlândia, Estónia, Austrália, Suécia, Roménia, Sérvia Suíça, Arménia, Islândia, Lituânia, Noruega, Grécia, Ucrânia, Moldova, Países Baixos França, Alemanha, Espanha, Reino Unido e o país anfitrião, Itália, concorrem na arena italiana. Um destes países será o vencedor deste ano e o organizador da edição de 2023.
 


É a 66ª edição da competição que, ao longo da sua extensa história, só parou uma vez: em 2020 devido à pandemia. A primeira edição aconteceu em 1956 - numa ordem mundial diferente. O formato foi inspirado no concurso italiano de São Remo e a ideia surgiu depois do fim da Segunda Guerra Mundial, quando havia a vontade urgente em "esbater" fronteiras e solidificar um conceito de união entre países. A primeira vencedora foi a Suíça. A cantora Lys Assia venceu com a interpretação de 'Refrain'.

Portugal só se juntou à festa eurovisiva em 1964 e fê-lo com a canção 'Oração', interpretada por António Calvário. Conseguiu apenas o 13º lugar. Quem venceu foi a Itália com 'No Ho L'Età', cantada por Gigliola Cinquetti.

O país que soma mais vitórias até hoje é a Irlanda. Portugal venceu apenas uma vez e não foi há muito tempo. A vitória foi nossa em 2017 com a canção 'Amar Pelos Dois' que foi levada a Kiev, na Ucrânia, por Salvador Sobral. 

No fecho da semana eurovisiva - com a chegada da noite mais esperada pelos fãs da competição - fomos vasculhar a memória coletiva em matéria de canções festivaleiras. O critério da seleção foi apenas um: canções que continuam na ponta da língua. Dentro ou fora de fronteiras, as mais recentes ou as mais antigas - são relíquias que a cultura popular tem conservado ao longo do tempo.  


Domenico Modugno - 'Nel Blu Dipinto Di Blu' - 1958 - Itália

Foi interpretada pela Itália na edição de 1958 que teve lugar nos Países Baixos. É mítica mas não ganhou. O vencedor dessa edição foi André Claveau que representou a França com 'Dors, mon amour'. A canção italiana - mais tarde abreviada pela sabedoria popular para 'Volare' - ficou em terceiro lugar.


Gigliola Cinquetti - 'Non Ho L'Età' - Itália


1964 - o ano da estreia de Portugal na competição. A "primeira vez" portuguesa não foi propriamente auspiciosa, embora fosse um ato de fé. 'Oração', cantada por António Calvário, ficou em 13º lugar e sem um único ponto. A doçura da italiana Gigliola Cinquetti levou a melhor e o troféu. A Itália venceu com o suave 'Non Ho L'Età'. 


Madalena Iglésias - 'Ele e Ela' 
- 1966 - Portugal

Era o tempo em que as canções eram obrigatoriamente apoiadas por uma orquestra - tradição que se manteve até ao final dos anos noventa. Madalena Iglésias, que representou Portugal com 'Ele e Ela', ficou em 13º lugar na fase europeia. A glória foi da Áustria que conseguiu o galardão com a interpretação que Udo Jürgens fez de 'Merci, Chérie'.


Sandie Shaw - 'Puppet on a String' - 1967 - Reino Unido


A canção que Sandie Shaw levou à Eurovisão conquistou o público e deu a vitória ao Reino Unido pela primeira vez. A estreia nas vitórias foi em grande. A saltitante 'Puppet on a String' arrecadou o vitorioso troféu na final que foi disputada em Viena, na Áustria. 


Eduardo Nascimento - 'O Vento Mudou' - 1967 - Portugal

Em 1967, quem representou a bandeira portuguesa foi o cantor Eduardo Nascimento, que levou 'O Vento Mudou' ao palco de Viena. A poderosa canção portuguesa conseguiu a 12ª posição.


Simone de Oliveira - 'Desfolhada Portuguesa' - 1969 - Portugal 

Simone de Oliveira levou a 'Desfolhada Portuguesa' à final da Eurovisão em Madrid, Espanha, em 1969. A última edição eurovisiva dos anos sessenta teve quatro vencedores: Espanha, Reino Unido, Países Baixos e França. Portugal ficou na 15ª posição, resultado que, porém, não ofuscou o brilho de Simone nem enfraqueceu a força da sua 'Desfolhada'. A cantora foi ovacionada por uma multidão entusiasmada quando chegou a Lisboa.  


Fernando Tordo - 'Tourada' - 1973 - Portugal

Um ano antes da Revolução de Abril em Portugal, Fernando Tordo deu vida às palavras de Ary dos Santos e mostrou 'Tourada' na competição teve lugar no Luxemburgo, o país que, além de organizar a festa, ganhou a estatueta. O cantor português conseguiu o 10º lugar. 


ABBA - 'Waterloo' - 1974 - Suécia 

Os suecos ABBA venceram a Eurovisão em 1974 - com 'Waterloo', um dos grandes hits eurovisivos que saltaram para os tops de vendas no mundo inteiro, incluindo no mercado gigante norte-americano. O êxito foi de tal forma colossal que, em 2005 - quando a Eurovisão assinalou os 50 anos - 'Waterloo' foi escolhida como a melhor canção da competição.    


Paulo de Carvalho - 'E Depois do Adeus' - 1974 - Portugal 

Portugal levou à final de 1974 um pedaço de história mas ainda não sabia. A 6 de abril, Paulo de Carvalho representou as cores da bandeira portuguesa com 'E Depois do Adeus' - canção composta por José Calvário e José Niza. Alguns dias mais tarde, a 24 de abril, 'E Depois do Adeus' foi transmitida pelos Emissores Associados de Lisboa como a primeira senha para a preparação das tropas que, no dia seguinte, libertaram o país das amarras do Estado Novo. A segunda senha foi a canção 'Grândola, Vila Morena' de Zeca Afonso.


Brotherhood of Man - 'Save Your Kisses for Me' - 1976 - Reino Unido


Vitória para o Reino Unido na final que foi disputada nos Países Baixos. 'Save Your Kisses for Me' foi uma das canções eurovisivas com melhor prestação nas tabelas de vendas. 


Manuela Bravo - 'Sobe, Sobe, Balão Sobe' - 1979 - Portugal


A 24ª edição da Eurovisão decorreu em Israel. A representante portuguesa foi Manuela Bravo que levou consigo 'Sobe, Sobe, Balão Sobe'. A alegria doce da cantora portuguesa foi contagiante no Festival da Canção, em solo lusitano, mas não conseguiu a vitória além fronteiras. 'Sobe, Sobe, Balão Sobe' ficou na 9ª posição.


Milk and Honey - 'Hallelujah' - 1979 - Israel

Em 1979, quem ganhou foram os israelitas Milk and Honey com a solene 'Hallelujah'. Parece-lhe familiar?


José Cid - 'Um Grande, Grande Amor' - 1980


E já estamos oficialmente na década de oitenta. Em 1980, a Eurovisão recebeu o poliglota José Cid que, em boa hora, chegou para representar Portugal. O músico e compositor levou o piano, coros e 'Um Grande, Grande Amor' mas não conseguiu vencer. A vitória ficou nas mãos do irlandês Johnny Logan com a canção 'What's Another Year'. 


Bucks Fizz - 'Making Your Mind Up' - 1981 - Reino Unido 

O quarteto britânico Bucks Fizz arrasou na edição de 1981 com o orelhudo 'Making Your Mind Up'. O tema foi, aliás, o single de estreia do grupo que se tinha formado apenas dois meses antes da competição. Os Bucks Fizz meteram a Europa a dançar e conseguiram a vitória com 136 pontos. 


Carlos Paião - 'Playback'  - 1981 - Portugal 


As roupas multicolores e as coreografias curiosas eram uma tendência por esta altura. Que o diga Carlos Paião que também subiu ao palco da Eurovisão em 1981. O clássico 'Playback' (uma das canções mais populares em Portugal) ficou em 18º lugar. Não se faz!


Doce - 'Bem Bom' - 1982 - Portugal 


'Bem Bom' - outra glória da música portuguesa dos anos oitenta - representou Portugal um ano depois, em 1982. As Doce foram as escolhidas para a competição europeia que, nesse ano, foi acolhida pelo Reino Unido. A mais discreta cantora Nicole, que representou a Alemanha, foi a grande vencedora.


Jorge Fernando - 'Umbadá' - 1985 - Portugal 

Em 1985, Jorge Fernando concorreu ao Festival da Canção com o memorável 'Umbadá'. Quem ganhou foi a cantora Adelaide Ferreira, com a canção 'Penso em Ti, (Eu Sei)', mas - sejamos justos - 'Umbadá' nunca mais nos saiu da cabeça. Assumimos a batota. 'Umbadá' não foi à Eurovisão mas é imperativo que faça parte desta lista.


Sandra Kim - 'J'aime La Vie' - 1986 - Bélgica


A belga Sandra Kim, na altura com apenas 13 anos, foi a vencedora da edição de 1986 com o efusivo 'J'aime La Vie' - um hino à chamada joie de vivre (alegria de viver) muito em voga na pop dos anos oitenta.


Dora - 'Não Sejas Mau Para Mim' - 1986 - Portugal


1986 foi o ano em que a cantora Dora - vestida a rigor para combinar com as tendências - pedia clemência com a canção 'Não Sejas Mau Para Mim'. A canção portuguesa ficou em 14º lugar. Dora voltou mais tarde à competição com o premonitório 'Voltarei'.


Celine Dion - 'Ne Partez Pas Sans Moi' - 1988 - Suíça 

Foi a agora super estrela Celine Dion quem ganhou a edição de 1988 e a representar a Suíça. Portugal voltou a levar a cantora Dora - com a tal canção intitulada 'Voltarei' - mas a mal afortunada prestação portuguesa ficou na 18ª posição.  

 

Da Vinci - 'Conquistador' - 1989 - Portugal 

Passámos várias décadas sem conquistar o troféu, é certo, mas em 1989 os Da Vinci levaram para o palco eurovisivo e bem intencionado 'Conquistador'. O grupo, que consegue viajar por uma série de lugares em três minutos, teve mais dificuldades a viajar até ao pódio e acabou no 16º lugar. A estatueta ficou nas mãos da Jugoslávia. 

 

Dulce Pontes - 'Lusitana Paixão' - 1991 - Portugal

Anos 90 e as baladas doridas. Uma das mais populares e que não escapa a nenhum karaoke em solo português é a que Dulce Pontes levou à Eurovisão em 1991. 'Lusitana Paixão' ficou na 8ª posição.


Dina - Amor d'Água Fresca - 1992


Mas também há alegria no amor. A cantora Dina sabia disso e em 1992 deu voz ao frutado e leve 'Amor d'Água Fresca', a canção que foi disputar o título eurovisivo a Malmö, na Suécia.


Anabela - 'A Cidade (Até Ser Dia)' - 1993 - Portugal 

A jovem Anabela foi à Irlanda defender as cores portuguesas com a cosmopolita 'A Cidade (Até Ser Dia)' mas não foi além da 10ª posição. A cantora tinha apenas 16 anos quando entrou na competição. 


Sara Tavares - 'Chamar a Música' - 1994 - Portugal 

Um ano depois, a doce Sara Tavares concorreu ao concurso mais famoso da Europa com 'Chamar a Música'. Nesse ano, venceu a Irlanda, o país que acolheu a competição.


Lúcia Moniz - 'O Meu Coração Não Tem Cor' - 1996


Em 1996, Lúcia Moniz conseguiu o segundo melhor resultado para Portugal. 'O Meu Coração Não Tem Cor' arrecadou 32 pontos, ficando na sexta posição. A alegria que foi! A Suécia foi a vencedora. 



Salvador Sobral - 'Amar Pelos Dois' - 2017 - Portugal

Faz hoje precisamente cinco anos que Salvador Sobral ganhou o Festival da Eurovisão e meteu Portugal na lista dourada de vencedores. 'Amar Pelos Dois', canção composta pela irmã Luísa Sobral, deu o grandioso título das cantigas ao nosso país, feito nunca antes conquistado. O cantor português amou por dez milhões... ou melhor, fazendo as contas com o alcance fora de portas, Salvador amou por muitos, mas mesmo muitos mais. O sucesso da canção, tão gentilmente despida ao essencial, foi global. Atravessou um bom número de fronteiras e meteu o mundo a cantar em português (a arranhar o português) e, mais importante que tudo, a amar em português. No ano seguinte, e pela ordem natural das coisas, Portugal recebeu a competição. A transmissão da RTP talvez tenha sido uma das mais bem conseguidas de sempre. 

 

Duncan Laurence - 'Arcade' - 2019 - Países Baixos 

Duncan Laurence, que venceu em 2019 com o tema 'Arcade', é bom exemplo do sucesso das canções eurovisivas na era digital. Em 2020, Arcade viralizou na plataforma TikTok e com isso disparou nas tabelas de streaming em vários países do mundo. No início de 2021, sagrou-se a música da Eurovisão mais ouvida no Spotify.