Dead Combo: Tó Trips escreve mensagem a Pedro Gonçalves

Guitarrista faz um grande agradecimento ao malogrado companheiro.

Dead Combo: Tó Trips escreve mensagem a Pedro Gonçalves
Redação

O guitarrista dos Dead Combo, Tó Trips, escreveu uma mensagem de agradecimento ao seu companheiro de dupla, Pedro Gonçalves, falecido no sábado com 51 anos.

Trips começa por lembrar a forma fortuita como conheceu melhor Pedro Gonçalves numa jornada boémia em Lisboa, e que daria azo ao berço dos Dead Combo: "fui um gajo sortudo encontrar-te naquela noite junto ao Tejo, em que te pedi boleia e não sabíamos que iria ser uma boleia para a eternidade". O engraçado deste episódio de há quase 20 anos é que quem pediu boleia, Tó Trips, era o único dos dois que tinha carta de condução. Por isso, Pedro Gonçalves não lhe poderia satisfazer o pedido. Ambos iam para o Bairro Alto. Mas combinaram ensaiar juntos, porque Tó Trips tinha "umas malhas" de guitarra na cabeça, com avistamentos de Carlos Paredes. Os Dead Combo estavam prestes a nascer, num período de exéquias dos Lulu Blind, a banda indie rock de Tó Trips muito influenciada pelo som indie norte-americano (marcados inicialmente pelos Mudhoney, Sonic Youth e, mais tarde, quando começaram a cantar em português, seriam influenciados pelos Smashing Pumpkins).

Tó Trips refere que a foto que ilustra o post foi tirada após o concerto dos Dead Combo no São Luiz. É um palco que a dupla conheceu bem, tal como sobretudo a Galeria Zé dos Bois, a poucos quarteirões, espaço cultural e laboratorial que fez parte do agendamento da digressão de despedida deste projeto. Tó Trips enumera as pessoas que se cruzaram com os Dead Combo, incluindo "a maravilhosa Dona Emília que nos aturou durante anos na ZdB". O Bairro Alto e todas as suas imediações estão bem presentes neste texto de memórias de Trips: "Eu sei que te vou encontrar naquele bairro, naquelas ruas, naquelas escadinhas, nas calçadas daquela Lisboa imaginária em que vivemos e que amávamos!", diz Tó a Pedro. 

 

Tó Trips despede-se do amigo com um "Adeus companero! Até jazz!". Foi no jazz e no Hot Clube que Pedro Gonçalves se fez contrabaixista e multi-instrumentista.