Ouça a Rádio Comercial, faça o download da App.

Covid-19: Dentista italiano apresenta braço falso para vacinar e conseguir certificado

O homem já tinha sido suspenso do trabalho por recusar ser vacinado.

 Covid-19: Dentista italiano apresenta braço falso para vacinar e conseguir certificadoPIXABAY
Redação / Agência Lusa

Um dentista na Itália enfrenta possíveis acusações criminais após tentar ser vacinado contra o coronavírus num braço falso feito de silicone, noticia hoje a imprensa italiana. Uma enfermeira na cidade de Biella, Filippa Bua, contou ao jornal italiano Corriere della Sera ter percebido de imediato que algo estava errado quando um homem apresentou o membro falso para vacinação na quinta-feira.

"Quando destapei o braço, senti a pele fria e pegajosa e a cor muito clara", afirmou a enfermeira, explicando que inicialmente pensou que o homem de 57 anos tinha um membro amputado e havia oferecido o braço errado por engano, mas quando levantou a camisa viu um braço de silicone. “Percebi imediatamente que o homem estava a tentar evitar a vacinação utilizando uma prótese de silicone, na qual esperava que eu injetasse a droga", contou ainda Filippa Bua.

A enfermeira adiantou que o homem acabou por reconhecer que não queria ser vacinado, mas apenas obter o certificado digital de vacinação, que a partir de segunda-feira é necessário no país para entrar em restaurantes, cinemas ou teatros. O homem, segundo a imprensa, já tinha sido suspenso do trabalho por recusar ser vacinado. Segundo a enfermeira, foi com cortesia que o homem deixou o centro de vacinação após o fracasso da tentativa. “Entendemos que esta não era apenas uma situação surreal, mas uma tentativa real de fraude", afirmou a enfermeira, explicando ter sido entregue documentação aos seus superiores para que relatem o caso às autoridades, que foi entregue aos promotores.

Embora a vacinação em Itália abranja 85% da população atualmente elegível, com 12 anos ou mais, a faixa etária entre os 30 e os 59 anos tem demonstrado ser a mais resistente à vacinação, com quase 3,5 milhões de pessoas ainda sem as primeiras doses da vacina. A covid-19 provocou pelo menos 5.233.111 mortes em todo o mundo, entre mais de 263,61 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.