NO AR:

Feira das Lambarices: música e doçaria tradicional de 8 a 17 de outubro em Águeda

1ª edição com Ana Moura, Anselmo Ralph, Bárbara Tinoco, Calema, Piruka, Miguel Araújo, que convida António Zambujo e Tatanka, Fernando Daniel, Cláudia Pascoal, Os Quatro e Meia, entre outros.

Redação

A Feira das Lambarices, que vai decorrer de 8 a 17 de outubro em Águeda, simboliza o regresso da música ao vivo, com maior liberdade de movimentos, com lotação a 100% e um pé na velha normalidade. 

O cartaz, que reúne artistas portugueses de vários universos musicais, tem tudo para chamar diferentes gerações à baixa de Águeda (perto do rio) e vai animar a cidade ao longo de dez noites.  
 
São eles: Deejay Telio, Plutónio, Djodje, Anselmo Ralph, Banda Alvarense com Miguel Ângelo, Piruka, Fernando Daniel, Bárbara Tinoco, Os Quatro e Meia, Álvaro de Luna, Bárbara Bandeira, Rony Fuego, Calema, Nuno Ribeiro, Ana Moura, Cláudia Pascoal Miguel Araújo (com António Zambujo e Tatanka) e Orquestra 12 de Abril com Ala dos Namorados.
 
Além da música, a Feira das Lambarices será uma mostra da irresistível doçaria portuguesa. Cerca de trinta municípios, de norte a sul do país, vão estar representados para promover o melhor da doçaria tradicional de cada região. 

Quisemos saber mais sobre a primeira edição do evento, até porque a história que está na base da sua criação é inspiradora e serve de exemplo. É um bom exemplo de quem arregaça as mangas em prol da integração social. Foi por isso que conversámos com Ricardo Pereira, promotor do evento, e com a cantora Bárbara Tinoco, que vai atuar no evento a 12 de outubro. 

A Feira das Lambarices estava marcada para setembro, mas foi adiada ainda na sequência das restrições forçadas pela pandemia. Adiar para 2022 era uma possibilidade, porém, e tendo em conta que o evento serve, sobretudo, para promover o bem da comunidade, a organização decidiu manter a primeira edição para este ano devido a duas urgências: animar as pessoas e ajudar os trabalhadores que ficaram com a vida suspensa por causa da recente crise sanitária.

"Ao lidar com a comunidade, sendo que nós lidamos com muitas crianças, percebemos que o facto de termos estado presos no último ano e meio e sujeitos a tantas restrições tornou-nos pessoas diferentes e mais ansiosas. Tínhamos muita vontade de dar às pessoas a oportunidade de viverem algo que fosse o mais parecido possível com o que era há um ano e meio e com toda a segurança. As pessoas sentem falta de ir a um espetáculo, de ver os artistas de quem gostam em pé e sem a maioria das restrições", disse-nos Ricardo Pereira.
 


Bárbara Tinoco vai atuar na Feira das Lambarices a 12 de outubro, o mesmo dia em que atuam Os Quatro e Meia. A jovem cantora contou-nos que está muito entusiasmada por fazer parte do evento, não esquecendo a importância deste na retoma dos espetáculos.

"A cultura é muito importante. Por vezes, sinto que é difícil explicar a razão dessa importância ou explicar porque é que as pessoas precisam de música, livros ou filmes. O ser humano não serve só para comer, dormir e depois repetir o processo. Há uma outra parte do ser humano que está muito ligada à cultura e à perceção que temos do mundo. Cada pessoa tem a sua arte preferida, seja música, teatro ou cinema. Eu não sei viver sem música", contou-nos Tinoco.


O contexto: a Feira das Lambarices nasce de uma ideia da população de Vale Domingos, uma pequena aldeia do concelho de Águeda, e teve a base num projeto de integração social. O projeto foi um dos vencedores do Orçamento Participativo Nacional e contou com o apoio da Câmara Municipal de Águeda e do Ministério da Cultura.

"Somos uma aldeia muito pequenina do concelho de Águeda e, durante muitos anos, fomos uma aldeia muito pobre, que passou por várias dificuldades. Temos pessoas de várias etnias a viver em Vale Domingos. Temos um bairro social com duas comunidades de etnia cigana, temos uma comunidade venezuelana, por exemplo. Queríamos mudar a imagem da aldeia e mostrar que as diferenças podem ser uma força. É o que acontece quando as pessoas se unem. Tudo o que fazemos é em prol da integração social", explicou Ricardo Pereira sobre a intenção do projeto. 

Com a intenção bem definida na casa da partida, a comunidade de Vale Domingos uniu-se então para fazer da Feira das Lambarices uma experiência cultural e gastronómica a transbordar de potencial para continuar por muitos anos.

Como surgiu a ideia das "lambarices":


A Rádio Comercial como inspiração para compor o cartaz:
 

 

Informações úteis:

A mostra de doçaria tradicional vai ter lugar no pavilhão desportivo do GICA. A entrada para esta área do evento é gratuita. O acesso aos concertos é feito através da aquisição de passes diários (a preços variáveis) ou de passes de dez dias, pelo preço de 40 euros. Os ingressos estão à venda nos locais habituais. A organização refere ainda que os passes que foram adquiridos para as datas iniciais do evento (de 3 a 12 de setembro) são válidos para as novas datas. 

Normas de segurança: apresentação obrigatória de certificado de vacinação ou teste negativo à Covid-19. É obrigatório o uso de máscara

Programação dos 10 dias:

 
8 de outubro
 
Deejay Telio
Plutónio

9 de outubro 
Djodje
Anselmo Ralph

10 de outubro  
Banda Alvarense com Miguel Angelo 

11 de outubro 
Piruka
Fernando Daniel

12 de outubro 
Bárbara Tinoco
Os Quatro e Meia 

13 de outubro  
Álvaro de Luna
Bárbara Bandeira

14 de outubro 
Rony Fuego
Calema

15 de outubro
Nuno Ribeiro
Ana Moura

16 de outubro 
Cláudia Pascoal
Miguel Araújo + convidados 
António Zambujo e Tatanka

17 de outubro
Orquestra 12 de Abril com Ala dos Namorados