Ouça a Rádio Comercial, faça o download da App.

Milhares de voluntários vão limpar praias portuguesas este sábado

Dia Internacional da Limpeza Costeira assinalado com mais de 150 de ações de recolha de lixo.

Milhares de voluntários vão limpar praias portuguesas este sábadoSergei Tokmakov/Pixabay
Redação / Agência Lusa

Milhares de voluntários vão limpar no sábado praias e zonas subaquáticas de Portugal para assinalar o Dia Internacional da Limpeza Costeira, em mais 150 de ações promovidas pela Fundação Oceano Azul com associações e clubes locais, disse fonte a organização.

Albufeira, Lagoa e Silves, no Algarve, são municípios onde estão previstas ações de limpeza do lixo marinho, mas a iniciativa abrange outras zonas do país e das regiões autónomas da Madeira e Açores, com a organização a estimar que o número de 3.600 voluntários que participaram na edição do ano passado “vai ser ultrapassado”.

"Este é o terceiro ano da iniciativa, que surgiu em 2019 com o ímpeto de juntar e agregar as várias iniciativas que iam decorrendo também para celebrar esta data do Dia Internacional da Limpeza Costeira um pouco espalhadas pelo país”, contextualizou a responsável de projetos da Fundação Oceano Azul, Flávia Zurga Silva.

A mesma fonte referiu que, em 2019, estiveram “mais de 100 entidades envolvidas” na ação e foram realizadas “65 ações de limpeza numa semana em Portugal”, números que, “em 2020, o segundo ano, chegou às 160 ações de limpeza, com quase 200 organizações envolvidas”.

“O objetivo é mesmo não só assinalar este dia simbolicamente, com a recolha de lixo nas praias, mas dar visibilidade a todas estas organizações que todo o ano trabalham em prol de um oceano mais limpo e mais saudável”, afirmou Flávia Zurga Silva, frisando que o dia internacional da Limpeza Costeira se “assinala sempre no terceiro sábado de setembro”.

Este ano, a organização espera “superar os números de 2020”, no qual foram recolhidas “ao longo de todo o país, 29 toneladas de lixo marinho”, num conjunto de “160 ações”, com a participação de “3.600 voluntários”, disse a mesma fonte.

“Na zona do futuro parque marinho [do Algarve], os municípios envolvidos, Lagoa Albufeira e Silves, juntaram-se também a esta celebração para assinalar a importância daquela zona e da proteção e conservação daquele espaço”, destacou a responsável da Fundação Oceano Azul.

Flávia Zurga Silva frisou que, apesar de haver “ações concertadas naquela zona do Algarve”, envolvendo “não só municípios, como organizações ambientais” ou “associações de pescadores” e “centros de mergulho e escolas de surf”, a iniciativa estende-se a todo o país e vai envolver também “80 turmas” de escolas nacionais, com “1.300 alunos”, em iniciativas a realizar durante os dias úteis da próxima semana.

A responsável de projetos da Fundação frisou a importância da retirada de lixo marinho das zonas costeiras, mas também alertou para a necessidade de catalogar o lixo recolhido, “em conjunto com outros parceiros nacionais, com listas uniformizadas para Portugal” fazer a recolha desses dados.

“É muito importante, claro, fazer estas limpezas e recolher o máximo de lixo possível. Estamos a aliviar o sistema, estamos a ajudar a que este lixo não se degrade, não se separe em milhões de partículas e não firam ou matem animais, mas é muito importante conhecermos o lixo que está nas praias para depois propor medidas ou impor regras”, justificou.

Flávia Zurga Silva sublinhou que “o mais importante aqui é mudar comportamentos e atuar na fonte onde este lixo tem origem”.

A iniciativa conta com a colaboração do surfista Frederico Morais ou da bodyboarder Joana Schenker, que tem um clube onde ensina a modalidade e “já aderiu com o seu clube nos últimos dois anos”, realizando “ações no Algarve, a sua terra”.

Por outro lado, a iniciativa está também ligada à a campanha #EUBeachCleanup, que “agrega ações de limpeza em todo o Mundo” para “assinalar a data em cada país”, mostrando “o trabalho que se tem desenvolvido em Portugal” ao “juntar tantas organizações e limpezas em simultâneo”.