NO AR:

Womex mostra 24 documentários de música no Porto

A Womex Worldwide Music Expo é a maior feira de world music e decorre este ano em Portugal.

DR - Silêncio - Vozes de Lisboa (página de Facebook do filme)
Agência Lusa

"Silêncio, Vozes de Lisboa" e "África Express Presents: Egoli" são dois dos 24 documentários que vão ser exibidos na Womex - Worldwide Music Expo, feira internacional de música do mundo, que acontece no Porto de 27 a 30 de outubro.

O programa de Filmes Womex 21 é uma seleção "escolhida a dedo de 24 documentários musicais, incluindo novos lançamentos, pré-visualizações e estreias internacionais, e vai ser exibido na Alfândega do Porto - no Film Room e na Film Library -, e no Cinema Passos Manuel, revelou hoje a organização, no seu sítio oficial na Internet.

"A Womex Film vai apresentar uma seleção com curadoria de documentários que retratam música, movimentos e histórias de todo o mundo. O programa é uma oportunidade para cineastas, artistas, produtores e distribuidores alcançarem novos mercados e explorarem canais adicionais de distribuição e produção", ao mesmo tempo que traz "novos lançamentos, pré-visualizações, estreias internacionais, divididas em mercado e público e biblioteca digital".

"África Express Presents: Egoli", do realizador Denholm Hewlett, 25 anos, com a duração de 35 minutos, a ser exibido nos dias 28 a 30 de outubro, na Film Library, no edifício da Alfândega do Porto, conta o processo criativo por trás do álbum "Egoli", do Africa Express, gravado durante uma semana em Joanesburgo, África do Sul, em 2018.

O documentário conta com "colaborações íntimas e personagens fascinantes", conforme a sua apresentação, e apresenta artistas como BCUC, BLK JKS, Blue May e Damon Albarn (vocalista das bandas Blur e Gorillaz), entre outros.

 

"Aleluia, O Canto Infinito do Tincoã", de Tenille Bezerrat, tem duração de 70 minutos, e é exibido de 28 a 30 de outubro, no Filme Library da Alfândega.

O documentário "Canto Infinito do Tincoã" segue o "mundo imaginário criado pela mistura ímpar" do cantor e compositor Mateus Aleliua, entre "música, rituais religiosos e modo de vida".

Aleluia é um personagem "verdadeiramente inspirador, alcançando o seu pico criativo aos 77 anos, e ganhando cada vez mais aclamação do público e da crítica no Brasil e no mundo", lê-se na nota explicativa do ‘site’ oficial da Womex Filmes 2021

“Silêncio, Vozes de Lisboa”, realizado por Judit Kalmár e Céline Coste Carlisle, tem 87 minutos e vai ser exibido no dia 30 de outubro, no Cinema Passos Manuel. O documentário tem como pano de fundo uma Lisboa enobrecida, que explora a relação entre os fadistas e o mundo em constante mudança que os rodeia.

"Acompanhamos Ivone Dias e Marta Miranda, duas mulheres artistas de diferentes gerações que lutam pela sobrevivência de sua arte e de sua comunidade. A linguagem comum é o fado, um estilo de música tradicional português que fala sobre a luta diária da vida".

 

"O princípio, o meio, o fim e o infinito", de Pedro Coquenão, tem 29 minutos de duração e é exibido no dia 30 de outubro, no Fim Room da Alfândega do Porto.

O documentário conta a história de dois seres de um tempo e espaço distantes, imunes a quase tudo, que se queimaram física e mentalmente ao entrar em contacto com a normalidade atual. São apresentadas conversas sobre temas "fundamentais como água, mobilidade, comércio justo, saúde mental e cumplicidade"; é também abordado "o contacto com bobinas com gravações de campo feitas por Hugh Tracey, na Angola dos anos 1950", assim como "viagens no tempo e o uso obsessivo de baterias eletrónicas dos anos 80".

 

“Rapsódia Negra”, de Lucas Silva, “Moonscape”, de Mona Benyamin, “Sing my sister - A filme trilogy”, de Alzira Guetza, André Bahule e Karen Boswall, “Love in the Face of Genocide”, de Shero Hinde, “Halel”, de Ben Kirchenbaum e Shye Ben Tzur, “Rumba Rules, Nouvelles Généalogies”, de David Nadeau-Bernatchez e Sammy Baloji, entre outros, são documentários que também vão ser exibidos na Womex, a feira internacional de músicas do mundo que este ano acontece no Porto.

A Womex Worldwide Music Expo é a maior feira de World Music do setor e acontece este ano no Porto, ao longo de cinco dias, envolvendo 60 espetáculos de 'show case', em oito salas diferentes. Estima-se que estejam envolvidos 2.500 profissionais na produção do evento.

Na apresentação do festival, em 28 de julho do ano passado, no Teatro Rivoli, foi anunciado que este implicava um investimento nacional na ordem dos 1,7 milhões de euros, entre os quais se incluía o apoio do Ministério da Cultura (200 mil euros), do Turismo de Portugal e da Câmara do Porto (620 mil euros).

“Hoje é um marco histórico. Esta ideia de querer trazer o Womex para Portugal tem mais de 20 anos", afirmava, na altura, o diretor geral da AMG Music, António Miguel Guimarães, produtora responsável pela realização do evento em Portugal.

Ao longo dos cinco dias de Womex, são esperados mais de 260 artistas vindos de todos os continentes, cerca de 520 editoras e distribuidoras, quatro centenas de instituições governamentais e educacionais, oito centenas de agentes, mais de 610 gestores e 300 produtores, a que se juntarão cerca de 1.250 empresas vindas de mais de 50 países.

Para António Miguel Guimarães, o Womex será "vital" para a reorganização do mundo da música na era pós-covid-19, em que tudo se desestruturou. A feira deverá permitir reativar contactos, projetar futuro, relançar carreiras dos artistas.

A Womex cria uma experiência para curadores, gerentes de editoras, entre outros, para descobrir novos músicos, projetos e refletir sobre oportunidades alternativas de programação (…), fortalecendo a conversa entre a comunidade global de música e cinema”, explica a organização do ‘site’ oficial.

O último Womex, evento consagrado mundialmente para os profissionais da indústria da música, com mais de 26 anos história, aconteceu em 2020, em Budapeste, na Hungria, e, o antepenúltimo Womex, em Tamper, na Finlândia, em 2019.

A covid-19 provocou pelo menos 4.646.416 mortes em todo o mundo, entre mais de 225,72 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.882 pessoas e foram contabilizados 1.058.347 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

A programação de filmes e conferências, já anunciados, pode ser consultada em www.womex.com.