Covid-19: Investigação portuguesa abre caminho para reduzir a doença a uma constipação

Os investigadores portugueses descobriram três compostos que reduzem o impacto da doença.

Covid-19: Investigação portuguesa abre caminho para reduzir a doença a uma constipaçãoKatia Christodoulou | EPA
Redação / Agência Lusa

Uma equipa de investigadores portugueses do Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa (ITQB NOVA), em Oeiras, descobriu três compostos que podem reduzir o impacto da covid-19 a uma constipação. Em entrevista à Lusa, a investigadora coordenadora Cecília Arraiano salienta que "cada um dos compostos em ação individual reduz 60 a 70% a atividade do vírus SARS-CoV-2", num projeto que aponta numa direção distinta das vacinas e que está em fase de registo de patentes e tem perspetivas de poder chegar rapidamente ao mercado, porque dois estão aprovados para uso em outras doenças pelo regulador americano: a FDA [Food and Drugs Administration].

"A vacina é uma abordagem diferente, porque põe o hospedeiro a lutar contra o vírus e nós lutamos diretamente com o vírus, porque atacamos a 'maquinaria' interior. A vantagem é que [a nossa] é mais independente da resposta imunitária do hospedeiro", nota a geneticista, continuando: "A covid-19, que está tão grave, passa a ser como uma constipação. Se uma pessoa não tiver outras complicações, não vai para o hospital com uma constipação". 

O trabalho desta equipa, que contou com a colaboração do Laboratório Nacional de Referência de Saúde Animal do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), assenta na especialização dos investigadores em RNA e ribonucleases, isto é, as moléculas que controlam os níveis de RNA na célula. E na base da investigação está a existência de duas ribonucleases no SARS-CoV-2, que desempenham um papel essencial na replicação do vírus.

"O nosso objetivo era pôr o nosso conhecimento de forma a poder ajudar a controlar a multiplicação do vírus e tornar esta doença - que tem sido tão perigosa - mais ligeira", frisa Cecília Arraiano, destacando a "garantia de futuro" destas descobertas: "Quando entra nas células, o vírus normalmente pode ter mutações e esta 'maquinaria' funcional é sempre conservada, o que dava uma garantia de ser uma forma de atacar com futuro".

Com a ajuda da colega investigadora Margarida Saramago, Cecília Arraiano conta que o projeto arrancou ainda durante o primeiro confinamento, em abril/maio de 2020, com os três fármacos a serem 'encontrados' nas bases de dados internacionais, que contêm muitos milhares de compostos químicos. E, sustenta a investigadora, todo este processo "foi uma grande aventura" para a instituição e os profissionais.

"As minhas colaboradoras fizeram um 'screen' e começaram a ver, tendo em conta as características destas ribonucleases, quais seriam aqueles que poderiam - como uma chave numa fechadura - encaixar nos sítios vulneráveis e fazer com que se ligasse e não funcionasse bem", refere, sem deixar de enfatizar que a ambição é que seja rapidamente utilizado pelas pessoas para se poder "voltar à normalidade que havia antes desta pandemia".

Com a investigação laboratorial terminada nesta fase, o futuro passa agora pelo registo de patentes e pelo diálogo com as farmacêuticas. A investigadora coordenadora do ITQB Nova adianta que já foi obtida uma "patente provisória" na semana passada e que dentro de alguns dias devem avançar pedidos similares para os outros dois compostos.

"Até estar tudo seguro e conversado com as farmacêuticas, não podemos divulgar porque, senão, qualquer país do mundo agarra e faz. Como foi tudo 'made in Portugal' temos muito orgulho e queremos manter 'made in Portugal'", indica a geneticista.

Esta patente provisória já permite encetar conversações com as farmacêuticas, embora seja um processo sobre o qual pendem algumas obrigações, além de estar ainda 'presa' por alguns detalhes.  Apesar disso, Cecília Arraiano confirma que serão feitas "três patentes diferentes" -- uma por cada composto descoberto -, expressando a sua convicção de que agora este tema não passa de uma questão burocrática. 

"O que gostávamos era que as farmacêuticas testassem isto (que nós já sabemos que se faz em células de macaco com o vírus) em testes clínicos com pessoas com covid. Tendo em conta a rapidez com que foram desenvolvidas estas novas vacinas de RNA, em um ano, tenho a grande esperança de que seja também tudo muito rápido", indica, finalizando: "Esperamos mesmo é ver isto no mercado o mais rápido possível".

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.658 pessoas e foram contabilizados 1.022.807 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.