Bárbara Tinoco e Bárbara Bandeira juntaram as vozes para dar vida à 'Cidade'

É uma das canções do novo EP de duetos de Bárbara Tinoco. O concerto de apresentação, que vai juntar uma mão cheia de convidados, está marcado para o dia 29 de abril no Casino Estoril.

Silvia Mendes
08 abril 2021, 12:51


Mesmo com a intermitência dos espetáculos e as angústias consequentes da suspensão da Cultura, Bárbara Tinoco não quis ficar de braços cruzados, à espera de dias mais felizes e luminosos para a música. A jovem cantora arregaçou as mangas e transformou o ano de espera num EP especial que junta uma série de duetos com alguns dos artistas portugueses que mais admira. 

A dona de 'Sei Lá' convidou seis vozes que a ajudaram a dar vida a um grupo de canções que, por alguma razão, não encaixaram no disco de estreia que vai lançar lá mais para o final do ano. O EP de duetos, que tem data de lançamento marcada para 29 de abril, conta com as colaborações de Bárbara Bandeira, António Zambujo, Carolina Deslandes, Carlão, Diana Martinez e Tyoz

Será também a 29 de abril que Bárbara Tinoco vai apresentar o novo EP nos palcos, concerto que entretanto já esgotou. O espetáculo, marcado Casino Estoril, vai contar com a presença de todos os músicos convidados para as faixas do EP.

Enquanto esperamos pelas restantes faixas do EP, já podemos ouvir 'Cidade' - o single de apresentação junta as vozes das duas Bárbaras. Até podemos aproveitar o balanço e ouvi-lo em loop. Afinal de contas, é uma canção que parece ter "uma magia que não se explica".
 

"Como todos os encontros modernos, tudo começou no Instagram. Uma bela tarde de verão e um coração acelerado por causa de convite inesperado para uma sessão. De uma Bárbara para uma Bárbara. Numa noite normal, juntámos numa sala, um guitarrista que chegou com uma composição bonita, (conhecido por todos como Maninho), um dos melhores compositores que conheço (que por acaso é o meu melhor amigo Tyoz), uma Bárbara com uma voz especial, e eu! De repente estávamos a cantar sobre luzes da cidade, as estrelas e o amor que acaba. Obrigado Bárbara Bandeira, foi tudo porque um dia mandaste uma mensagem num Instagram ♥", diz Bárbara Tinoco sobre o single que partilha com a amiga.

Conversámos as duas cantoras, através da plataforma Zoom, e, sem mais delongas, partilhamos a entrevista. 

O EP de duetos

Bárbara Tinoco: O EP surgiu de uma forma muito natural. Havia canções que não fazia sentido incluir no meu álbum porque foram escritas com outra idade, com outra forma de pensar. Como gostaria de fazer alguns duetos pensei: 'porque não colocar tudo num só projeto?'. Fui tendo sessões com várias pessoas e o projeto acabou por ir para a frente. Não sei como é que convenci toda a gente, mas a verdade é que todas as pessoas que convidei aceitaram. Toda a gente aceitou. É engraçado. As canções com as meninas são as mais tristes, mas o resto do EP é muito feliz. A primeira música chama-se 'Estrelas' e o single de apresentação chama-se 'Cidade'. São duas formas completamente diferentes de explorar a palavra "estrelas", mas senti que se ligavam muito bem. A música 'Estrelas' é com a Carolina [Deslandes] e esta é com a Bárbara [Bandeira]. Como somos todas amigas, tudo acabou por fazer sentido. As restantes músicas são mais de verão, mais felizes, mais chill e para dançar. Na verdade, era essa a onda que estava à procura para o EP, mas depois fiz estas canções com a Carolina e a Bárbara e também achei que faziam todo o sentido. 
 

MCR · EP


 

Os convidados

Bárbara Tinoco: Foi um processo muito orgânico. São pessoas que eu já adorava ou passei a adorar e a conhecer ainda mais o trabalho que fazem. Apaixonei-me pela forma como compõem ou interpretam. Ou então ambas. São pessoas que se foram cruzando no meu caminho. No caso da Bárbara, até foi ela que me convidou. Disse-me para fazermos uma sessão e foi precisamente nessa sessão que escrevemos esta música incrível. Acabei por sugerir para incluirmos a canção no EP e a Bárbara aceitou logo. Fiquei muito contente com isso.

 

'Cidade' com Bárbara Bandeira, o single de apresentação     

Bárbara Tinoco: Por norma, quando fazemos uma música gostamos de mostrá-la aos amigos e à família para vermos a reação das pessoas. Foi engraçado. Sentimos que a música tinha uma magia qualquer que não se explica. Não sei se é a melodia, a letra, as nossas vozes ou a guitarra. Alguma coisa a música tem, porque todos os meus amigos pediram para lançá-la. Ouviam a demo que gravámos no estúdio em loop. Acho que é por isso que faz todo o sentido ter sido a primeira canção do EP a ser mostrada.

Bárbara Bandeira: Apaixonámo-nos logo por esta canção. Fizemo-la há praticamente um ano e é daquelas que nunca esquecemos. Quando fazemos a maqueta de uma música e dois meses depois já não nos apetece ouvi-la é sempre de estranhar. A verdade é que com esta canção isso não aconteceu. Nunca foi esquecida. Além disso, marcou cada pessoa que a ouviu, desde os nossos avós, pais a miúdos. Já mostrei a música a pessoas de faixas etárias bastante diferentes e sinto que, de certa forma, a canção tocou cada uma dessas pessoas. Isso é muito importante. É uma canção universal para todas as idades, o que não significa que as restantes canções do EP não sejam. 

Bárbara Tinoco: É uma canção sobre as luzes da cidade. Acho que é a paisagem mais bonita de sempre. É uma das paisagens que mais gosto. Gosto de ficar a ver as luzes da cidade nos miradouros ou quando atravesso as pontes. O tema fala sobre as estrelas, sobre um amor que acaba e de como o fim do amor pode ser difícil. Acho que todas as pessoas já viram luzes da cidade e já terminaram um namoro. (risos)
 



O vídeo (gravado no Porto) retrata duas histórias vividas em duas épocas: 1921 e 2021.

Bárbara Bandeira: Pareceu-nos bastante óbvio retratar duas relações - uma vivida por mim e outra vivida pela Tinoco - que, apesar de serem vividas de maneiras diferentes, se uniam, de certa forma, no final. Pensei: 'porque não dar um twist a isto e, além de termos duas histórias diferentes, termos duas histórias vividas em épocas diferentes?'. Até porque quando olho para a Tinoco vejo um lado muito vintage, embora ela não veja isso. (risos) Acho que tem uma classe vintage. Quis explorar essa classe e transformar a Tinoco numa bonequinha neste vidoclipe. Acho que conseguimos. Toda a gente tem estado a elogiar o cabelo e a roupa. Acho que ficou muito bonito.

Bárbara Tinoco: Ainda não percebi o que quero sentir em relação a isso, mas, e como normalmente as coisas vintage são bonitas, acho que vou só aceitar. (risos)

Bárbara Bandeira: Bonitas e valiosas.
 


A mensagem de resiliência para a nova geração em tempos pandémicos  

Bárbara Bandeira: Tendo em conta que estamos a passar por uma fase tão complicada, acho que é extremamente importante tentarmos inspirar as pessoas mais novas. Não podemos baixar os braços nem perder a esperança, independentemente do que está ou venha a acontecer. O sonho continua de pé. Fazer música é daquelas profissões das quais ninguém se consegue despedir. Pode cair meio mundo, ninguém se vai despedir da música. Estamos todos juntos, com esperança.

Bárbara Tinoco: Eu nem sei existir sem fazer música. Fomos fazendo só aquilo que gostamos de fazer. Estamos a viver um período muito complicado. A nossa indústria está muito cansada. Temos muitas saudades de dar concertos, de tocar para um público em vez de tocar para o telemóvel. É preciso que pensem em nós com carinho. Há muitos postos de trabalho em risco. E estamos todos muito cansados desta situação. Queremos muito voltar a trabalhar. 
 


Concerto intimista e exclusivo no dia 29 de abril no Salão Preto e Prata do Casino Estoril

Bárbara Tinoco convidou os seis artistas (e amigos) para se juntarem a si dia 29 de abril no palco. "Neste espetáculo exclusivo e intimista vão juntar-se os seis convidados para uma noite que se espera muito especial. Entre o pop, o hip-hop e o fado, será uma partilha sempre a duas vozes sobre o amor, imperfeito, efémero, incomum, mas real - que nem só de finais felizes ou tragédias se faz a vida".