Aiatola iraquiano diz ao Papa que cristãos no Iraque deveriam viver em paz

Encontro entre Ali al Sistani e o Papa Francisco foi esta manhã.

Redação / Agência Lusa
06 março 2021, 10:56

O aiatola iraquiano Ali al-Sistani afirmou ao Papa Francisco, numa reunião à porta fechada em Najaf, que os cristãos no Iraque deveriam viver em paz e com todos os direitos, num encontro histórico entre o Vaticano e o Islão.

Al-Sistani, de 90 anos, expressou ao Papa a sua "preocupação de que os cidadãos cristãos vivam, como todos os iraquianos, em segurança e paz, e com todos os seus direitos constitucionais", de acordo com um comunicado do gabinete de Al Sistani.

O gabinete de Al-Sistani divulgou fotos do encontro entre os dois líderes religiosos, que ocorreu sem a presença da imprensa, em que Francisco, vestido de branco, e Al-Sistani, de preto, são vistos em dois sofás da modesta casa do líder xiita, num gesto considerado histórico para as relações entre o Vaticano e o Islão.

Al-Sistani enfatizou o papel que a autoridade religiosa tem desempenhado em "proteger todos aqueles que sofreram injustiças e danos nos últimos anos, especialmente durante os quais terroristas tomaram grandes áreas em várias províncias iraquianas, onde cometeram atos criminosos".