Covid-19: UE receberá doses contratualizadas com o Pfizer até ao final de março

Presidente da Comissão Europeia diz ter tido a garantia por parte do diretor-geral da Pfizer.

Agência Lusa
15 janeiro 2021, 16:19

As doses das vacinas anticovid da Pfizer que deveriam ser entregues à União Europeia no primeiro trimestre vão ser entregues até ao final de março, apesar dos atrasos hoje anunciados, garantiu a presidente da Comissão Europeia.

“Hoje, recebi a notícia, como muitos de vocês, que a Pfizer anunciou atrasos. Telefonei imediatamente ao diretor-geral da Pfizer e ele explicou que há um atraso de produção nas próximas semanas, mas assegurou-me que todas as doses garantidas para o primeiro trimestre serão entregues no primeiro trimestre”, declarou Ursula Von der Leyen.

A presidente da Comissão Europeia, que falava durante a conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro, António Costa, no âmbito da visita do colégio de comissários a Lisboa, detalhou que o diretor-geral da empresa farmacêutica “assumiu pessoalmente a tarefa de diminuir o tempo de atraso e garantiu que recuperará [do atraso] assim que possível”.

“Era muito importante transmitir-lhe a mensagem de que precisamos urgentemente das doses garantidas no primeiro trimestre”, defendeu.

“Penso que é bom que estejam cientes de que para nós é uma situação muito difícil, uma vez que as primeiras doses foram administradas e, quatro semanas depois, terá de ser administrada a segunda dose das vacinas da Pfizer. Há, portanto, também uma necessidade médica de manter aquilo que acordámos, o planeamento que acordámos, e as entregas”, reforçou.

O laboratório norte-americano Pfizer advertiu hoje para uma quebra “a partir da próxima semana” nas entregas das vacinas anti-covid na Europa, com vista a melhorar a sua capacidade de produção, anunciaram hoje as autoridades norueguesas.

“A redução temporária afetará todos os países europeus”, indicou o Instituto de Saúde Pública norueguês.

“Não é conhecido, de momento, o tempo que poderá levar até a Pfizer regressar à capacidade máxima de produção, que será aumentada de 1,3 para dois mil milhões de doses” por semana, segundo a mesma fonte.