Covid-19: Federação dos Médicos preocupada com falta de meios no SNS

Médicos recebidos pelo Presidente da República dizem que falta de meios pode vir a custar vidas.

Redação / Agência Lusa
25 outubro 2020, 19:11

O presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), Noel Carrilho, demonstrou hoje preocupação pela falta de meios no Serviço Nacional de Saúde (SNS), que considera não conseguir responder ao "maior desafio que já viveu". 

"Desde o início da pandemia, há menos médicos do SNS em Portugal", afirmou, acrescentando: "É esta a realidade que viemos trazer ao senhor Presidente da República, de preocupação com a falta de meios. É impossível o SNS responder ao que talvez seja o maior desafio que já viveu", afirmou, à saída da audiência com o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, no palácio de Belém, para analisar a atual situação pandémica no país.

Noel Carrilho lamentou não ter havido "uma preparação adequada" durante o período de maior acalmia do surto, no verão, e não ter sido "aproveitado o conhecimento de quem está no terreno" durante vários meses.

"Vimo-nos obrigados a mostrar a nossa preocupação com a evolução da pandemia e também a situação do SNS, quer em termos de covid-19, quer em termos de assistência a doentes não covid-19. Não havendo uma preparação adequada, vemo-nos agora confrontados com uma situação muito difícil para os profissionais de saúde e, principalmente, para os doentes", disse.

Um possível confinamento "não irá condicionar de forma significativa a capacidade do SNS", que considera ser já "deficitária", o que "terá consequências no futuro, em termos de mortalidade".

"Há portugueses que vão morrer por esta falta de preparação e nós estamos, acima de tudo, preocupados com isso", vincou.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e quase 42,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.316 pessoas dos 118.686 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.