Duelos pela Europa: Patrícia Gaspar vs Rui Maciel

Patricia Gaspar (na imagem) que é hoje secretária de Estado, mas na altura em que o duelo foi filmado fardava pela ANEPC, debate a Europa, em cima de um fardo de palha, com Rui Maciel, estudante de Economia.

PUB (0:)

Patrícia Gaspar, à data em que foi gravada esta conversa, 2.ª Comandante Operacional na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, senta-se num fardo de palha para discutir a Europa com o jovem portuense Rui Maciel, estudante de Economia.

Rui começa por lembrar o sentimento de “estar em casa” quando viaja por países da União Europeia (UE). Algo que Patrícia Gaspar também sente, apesar das diferenças entre cada um dos países. 
Além disso, a multiculturalidade de hoje nas grandes cidades europeias é apontada como uma grande conquista desta União “ainda em construção”.

No que toca a Portugal, Rui é já um ‘produto’ europeu e como tal socorre-se das histórias contadas pela tia para sublinhar as vantagens da entrada na então CEE. “A Europa, mais do que os fundos estruturais, permitiu uma abertura a outras mentalidades, foi o abrir de portas para o mundo”. Além disso, a ajuda na formação com programas como o “Erasmus permite aos jovens ir para fora e trocar ideias com outros jovens com ideias e cultura diferentes.”

Já Patrícia Gaspar recorda as longas conversas que ouvia em casa sobre a chegada da então CEE. Assistiu depois ao que diz ser “o passar de um país fechado, para outro mais próximo do que já se vivia lá fora. Hoje essas diferenças estão esbatidas.” 

Lamenta, no entanto, que haja um desinteresse em relação às instituições europeias. Sugere uma alteração no modelo de ensino, tirando o enfoque das notas e das médias.

No que toca aos riscos, nomeadamente relacionados com a abolição de fronteiras, Patrícia Gaspar considera que é preciso uma atenção especial ao movimento de pessoas, mas sem pôr em causa os avanços alcançados na livre circulação.