Duelos pela Europa: Daniel Oliveira vs Carolina Nunes Alves

Experiente no debate de ideias, Daniel Oliveira (na imagem) discute, em cima de fardos de palha, o bom e o mau da União Europeia com a jovem Carolina Nunes Alves, de Bragança.

PUB (0:)

Neste frente a frente em que se discute a Europa, Carolina Nunes Alves, 21 anos, natural de Bragança e estudante de Ciências da Comunicação na Universidade do Porto, discute os seus pontos de vista com Daniel Oliveira. Diz que demorou a “acordar” para a Europa por ter nascido já na União Europeia (UE), onde tudo é dado como adquirido. Ainda assim, considera que ‘Bruxelas’ devia estar mais próxima do dia a dia dos portugueses.

Para a Carolina, a Europa é tolerância, conhecimento, liberdade… “é poder ser e fazer mais”. 

Já o jornalista, de 50 anos, olha para a UE como um “projeto político e institucional, a Europa é tudo e o seu contrário, é a economia liberal e o holocausto, é o colonialismo e as liberdades cívicas”. Para este lisboeta que viveu a entrada de Portugal na então CEE, a principal mudança que sentiu “foi no acesso a produtos que até aí não existiam cá, e os que havia eram muito caros”. 

Num ponto parecem convergir: a escola tem de fazer mais para motivar os jovens para os assuntos europeus, mas acima de tudo para a participação na vida social e política do país. Daniel Oliveira diz que a culpa está no que andamos a meter na cabeça dos jovens: “o que importa é a tua carreira, o que importa é a tua carreira”.