Amália Hoje em Alcobaça! Entrada Livre!

Não é hoje, mas vai acontecer! Dia 28 de maio no Largo do Mosteiro!


Amália Hoje ao vivo no Largo do Mosteiro
ENTRADA LIVRE
Sábado, 28 de Maio, 21h30h

O projecto "Amália Hoje" é um projecto pop português criado pelo músico Nuno Gonçalves (The Gift) em colaboração com Sónia Tavares (The Gift), Fernando Ribeiro (Moonspell) e Paulo Praça.

Para assinalar o 10º aniversário da morte de Amália Rodrigues, Nuno Gonçalves foi convidado pela Valentim de Carvalho, a reinterpretar algumas canções do vasto catálogo da “Diva do Fado”, tendo plena liberdade de escolha das composições, dos seus colaboradores, dos arranjos e toda a direção musical. 

Assim nasceu o disco, “Amália Hoje”  com edição em 27 de Abril de 2009, com nove fados imortalizados por Amália Rodrigues e reinterpretados com uma abordagem pop contemporânea assumindo a postura de que “Amália Rodrigues foi a primeira e maior estrela pop de Portugal”. Na altura do lançamento, Nuno Gonçalves afirmava que “olhando para o passado, ouvindo discos, analisando tudo o que Amália criava, começámos a perceber que Amália era muito mais do que Fado. Amália foi a primeira e talvez a única artista pop com dimensão mundial, que Portugal alguma vez teve”.

Para esta homenagem, deixaram a guitarra portuguesa fora do estúdio de gravação e trouxeram sangue novo ao repertório da fadista, incluindo guitarra eléctrica, bateria, sintetizadores, programações e uma orquestra. 

A lista de faixas do álbum reflectiu, “uma escolha pessoal dos fados de Amália, mas ao mesmo tempo uma escolha que não é óbvia”, pois escolheram “composições que tivessem espaço para crescer e que tivessem uma sensibilidade pop inata”.

O primeiro single lançado, "Gaivota", um poema de Alexandre O’Neill e música do colaborador de longa data de Amália Rodrigues, Alain Oulman, foi cantado por Sónia Tavares e rapidamente se tornou no maior sucesso de rádio do ano.

Fernando Ribeiro interpreta "Formiga Bossa Nova", também de O´Neill e Alain Oulman, e "Grito", poema escrito pela própria Amália Rodrigues com música de Carlos Gonçalves.

Paulo Praça interpreta "Nome de Rua", de David Mourão-Ferreira e Alain Oulman, entre outras canções.

O projecto “Amália Hoje” apresentou-se em todo o território nacional para dezenas de milhares de pessoas em festivais, teatros e com 40 músicos da Orquestra Sinfónica da República Checa, esgotaram cinco espectáculos  no Coliseu de Lisboa e três espectáculos no Coliseu do Porto.

Desde o seu lançamento, o disco "Amália Hoje" conquistou o estatuto de tripla platina com mais de 80.000 unidades vendidas só em Portugal, tendo sido um dos últimos grandes fenómenos nacionais de vendas, tendo o projecto ultrapassado as fronteiras de Portugal com concertos na Ásia, no Canadá, EUA, Brasil além de vários outros países europeus.

Com a celebração do centenário de Amália Rodrigues apareceram inúmeros convites para o regresso do projecto, mas a pandemia veio adiar a oportunidade de voltar a ver estas canções em palco. Depois de quase uma década sem se apresentarem em solo nacional, chegou o momento de poder assistir de novo a este espectáculo que foi programado para encerrar um ano de centenário com muitas homenagens à nossa maior Diva do Fado e adiado pela pandemia para 2022. 

A banda volta a um cenário onde o projecto fez um dos seus maiores concertos - Largo do Mosteiro de Alcobaça - e além de Nuno Gonçalves, Sónia Tavares, Fernando Ribeiro e Paulo Praça estarão os músicos que há alguns anos acompanharam o projecto com Mário Barreiros na bateria, Israel Pereira na guitarra, Carl Minneman no baixo e um coro de sete elementos.