8 maravilhas sobre as viagens de conservação selvagem no Botswana

Todas as semanas, a Rádio Comercial dá-lhe o roteiro perfeito para a sua viagem.

Descarregue o podcast e apanhe boleia com a Comercial. 

Sempre à segunda-feira, um novo episódio com histórias de viagens vividas pela equipa da Rádio Comercial e também por personalidades da música e cultura. 

Com Ana Martins e sonoplastia de Mário Rui. 

Subscrever o Podcast (e descarregar no telemóvel)

Ai Destino - Botswana com Ana Carreira

0:00
0:00

AI DESTINO – VIAGENS DE CONSERVAÇÃO SELVAGEM NO BOTSWANA COM ANA CARREIRA 

Gostava de fazer um safari mas acha que a experiência não é tão envolvente nem verdadeira como gostaria? E que tal fazer uma viagem de conservação selvagem? Foi o que fez a Ana Carreira, nossa colega da M80 - foi para uma área protegida (mas sem vedações) em Tuli Block, no Botswana, onde animais como elefantes, leões, hienas e girafas migram livremente. O trabalho de voluntariado incluía a caça de armadilhas, a monitorização e observação de animais e os cursos…de pegadas! Escuteiros 2.0. Mais informações no site da African Conservation Experiences.

 

8 maravilhas sobre as viagens de conservação selvagem no Botswana:

  1. Susto número 1: passar a fronteira entre a África do Sul e o Botswana num teleférico por cima de um rio pejado de crocodilos.
  2. Susto número 2: encostar-se a uma árvore onde “mora” um escorpião.
  3. Susto número 3: encontrar elefantes no meio de uma montanha. E dizemos “encontrar” porque supostamente eles são mais silenciosos do que coelhos.
  4. Susto número 4: acordar às 5h30 para ir caminhar – só até às 11h por causa do calor.
  5. O Botswana é um país sem vedações e os animais migram livremente por todo o lado. Natureza em estado selvagem.
  6. Goste-se ou não, há a possibilidade de caçar o elefante mais velho escolhido pelo governo – esse dinheiro seria aplicado no fundo de conservação das chitas.
  7. O hospital mais próximo ficava a 400 km, mas o líder deste projeto de conservação animal tinha antídotos para picadas de cobras e de escorpiões.
  8. O supermercado mais próximo também ficava a uns 200 km. A comida era partilhada e um bocado racionada. Talvez daí venha a expressão “fome de leão”.

 

Veja Também em

Recomendamos

Back to Top