10 lições que a Índia nos vai dar

Todas as semanas, a Rádio Comercial dá-lhe o roteiro perfeito para a sua viagem.

Descarregue o podcast e apanhe boleia com a Comercial. 

Sempre à segunda-feira, um novo episódio com histórias de viagens vividas pela equipa da Rádio Comercial e também por personalidades da música e cultura. 

Com Ana Martins e sonoplastia de Mário Rui. 

Subscrever o Podcast (e descarregar no telemóvel)

Ai Destino - Índia e Nepal (Ouvir aqui):

0:00
0:00

AI DESTINO - RUBEN RUA NA ÍNDIA E NEPAL 

“Há mais mundo para além do mundo”, foi a máxima que Ruben Rua aprendeu com a tia quando era criança. Já correu o mundo nos trabalhos como modelo, mas o bichinho das viagens começou quando ia para campos de férias internacionais em miúdo.

Nunca quis ir à Índia, até que uma amiga italiana lhe falou de estar sozinha nas montanhas sem rede telemóvel. Marcou a viagem passado três dias e passou três semanas a atravessar (uma parte d)a Índia até chegar à capital do Nepal. A melhor história? A de quando ficou doente em Agra – os típicos desarranjos gastro-intestinais da Índia – mas, ainda assim, se arrastou até ao Taj Mahal para a irmã poder tirar uma foto e mandar à mãe, para ela não desconfiar que o filho estava combalido.

10 lições que a Índia nos vai dar:

  1. No mesmo local podem coexistir todos os cheiros do mundo: especiarias, flores, caril, fezes e lixo.
  2. Depois de um templo bonito há sempre, a contrastar, uma lixeira com crianças a brincarem.
  3. É possível uma cidade como Deli ser super-moderna com bares, restaurantes e vida noturna - e ao mesmo tempo continuar tradicional, com estradas de terra batida onde as vacas andam.
  4. “Ah, o Taj Mahal é mais pequeno do que eu imaginava”. Mas é um monumento icónico, tem uma história muito bonita – e o Ruben recomenda visitá-lo ao nascer do sol ou ao pôr-do-sol.
  5. Varanasi é a cidade sagrada dos hindus e é também um crematório a céu aberto. O rio Ganges é sagrado e lá tomam banho, lavam roupa e ainda recebem os restos mortais de cerca de 700 corpos cremados. A dicotomia vida-morte e sagrado-profano convivem de mãos dadas. Faz ver o fim da vida com outros olhos.
  6. Não precisa de ir à Índia para receber a iluminação, mas pode sempre ir à cidade budista de Bodhgaya ver a árvore onde Buda atingiu o nirvana.
  7. Calcutá é uma cidade enorme, onde a presença colonial inglesa é muito marcante, mas talvez um bocadinho de nada mais caótica do que Londres.
  8. Darjeeling é outra Índia: a montanha, o verde, os campos de chá, não há confusão e sente-se que estamos a entrar noutra realidade. Até porque está frio.
  9. Se quiser aventura e desconforto, são dois dias de autocarro até chegar a Katmandu, capital do Nepal. A viagem é muito bonita mas demora muuuuito.
  10. A viagem de Ruben Rua foi de três semanas, mas que pareceram vários meses. Espere pela transformação.

Veja Também em

Recomendamos

Back to Top