4 bons motivos para caçar tempestades (e sobreviver para contar a história)

Todas as semanas, a Rádio Comercial dá-lhe o roteiro perfeito para a sua viagem.

Descarregue o podcast e apanhe boleia com a Comercial. 

Sempre à segunda-feira, um novo episódio com histórias de viagens vividas pela equipa da Rádio Comercial e também por personalidades da música e cultura. 

Com Ana Martins e sonoplastia de Mário Rui. 

Subscrever o Podcast (e descarregar no telemóvel)

Ai destino - estados unidos tempestades

0:00
0:00

AI DESTINO: VIAGEM ÀS TEMPESTADES MAIS SEVERAS DO PLANETA 

É um turismo que está muito em moda nos Estados Unidos, onde se encontram as tempestades mais violentas.

Esta edição do Ai Destino não lhe vai dar propriamente dicas de viagem pelos Estados Unidos, mas será com certeza uma aventura pelas super-células que atravessam o interior do continente norte-americano.

Bruno Gonçalves, da ExtremAtmosfera, já correu cerca de 9 estados – Illinois, Wyoming, Missouri, Nebraska, Novo México, Colorado, Kansas, Texas, Oklahoma – à caça de tempestades.

Na sua última expedição, O Bruno produziu este vídeo em timelapse com 18.000 fotos, captadas durante os 10 dias aos Estados Unidos da América:
 

4 bons motivos para caçar tempestades:

  1. Só em 2018, Bruno Gonçalves percorreu cerca de 15 mil km na estrada. Em 2019, foram 12 mil km em viagem, sempre com a mesma rotina diária: acordar em direção à zona-alvo onde as tempestades serão mais propícias, registar as imagens e à noite dormir nos motéis de beira de estrada, onde vão ver as previsões meteorológicas do dia seguinte.
  2. Em viagem pelo interior dos Estados Unidos, tanto vêm à memória os filmes western com as planícies, como os campos agrícolas com poços de petróleo.
  3. O dia-a-dia de um caçador de tempestades é andar de carro com um computador que tem acesso ao radar meteorológico norte-americano, parar o carro no melhor local possível e ser rápido a tirar o tripé e a máquina para fora. Adrenalina ao máximo! 
  4. Há dezenas de caçadores que se cruzam de ano para ano. No final do dia, juntam-se todos em convívio. A agradecerem por ainda estarem vivos, dizemos nós. J

Veja Também em

Recomendamos

Back to Top