O "Verão" que Sónia Tavares guarda com amor

Com mais um toque de Brian Eno, para Sónia Tavares, "Verão" é um dos álbuns mais genuínos dos Gift. Estivemos à conversa com a voz da banda de Alcobaça que não esconde o seu amor por esta estação que chegou mais cedo e em tons de azul.

11 de abril de 2019 às 12:31O "Verão" que Sónia Tavares guarda com amor

 

"Verão" é uma bonita e introspetiva declaração de amor não só às origens dos Gift, como às 25 primaveras que celebram por esta altura. Não que essas origens alguma vez tenham deixado de fazer parte da personalidade, agora bem amadurecida, do coletivo de Alcobaça.

As raízes estiveram, estão e estarão sempre lá, no ADN criativamente denso, emocional e inventivo dos Gift e no caminho que trilharam juntos até aqui, mesmo com os naturais e excitantes desvios, não fosse o arrojo e a vitalidade que encontram em novas experiências a espinha dorsal desta personalidade que "não se fica" e que anda sempre de peito aberto a explorar novas possibilidades musicais - de Alcobaça ao resto do mundo. 

Somando a isso a força combativa, a dedicação, autonomia que reclamam desde o início e a forma como souberam jogar com as peças da aprendizagem, tal como Sónia Tavares nos diz (apesar do assunto de conversa ser o verão) os Gift estão agora numa fase outonal, "a colher os frutos" do que fizeram ao longo destes 25 anos

 

 

Voltemos então a(o) "Verão". Lançado no final do mês de março, é o disco que sucede a "Altar" (de 2017) que deu ao quarteto de Alcobaça mais uma experiência para somar às tantas que tem colecionado: a colaboração com o famoso produtor e músico, Brian Eno, que voltou a entrar na vida discográfica dos Gift, apesar de nunca ter saído das suas vidas. Já lá vamos.

 Este "Verão" foge do conceito clássico da estação para abrigar-se dentro de casa, onde "corre apenas uma brisa. Uma suave brisa". Como nos disse Sónia Tavares, "é um disco efetivamente de brisas a puxar para o vendaval, é uma brisa na medida em que não é um verão de Ibiza, um verão de saídas à noite, de party, de fiesta, de praia". Este verão "é uma versão muito introspetiva e muito pessoal de alguém que está dentro de casa e pode imaginar o que se passa lá fora". E bem sabemos que dentro de casa também se viaja, sobretudo quando a jornada se faz dentro de nós. 

 

 

Escutar "Verão", do início ao fim, pode muito bem ser um passeio pela profundidade das nossas texturas emocionais e sensitivas. Uma viagem introspetiva, melancólica e solitária, com o mundo lá fora, bem aquecido, a passar pela janela por onde espreitamos do lugar onde estamos. Ainda assim, deixa entrar "raios de fogo", como nos diz a voz dos Gift, com canções "mais quentes" a piscar o olho ao calor que está lá fora. 

 

 

Para Sónia Tavares, os Gift de hoje são a versão adulta dos Gift do final da década de noventa, quando decidiram lançar sozinhos o histórico álbum, "Vinyl". É uma continuidade assumida do início, agora mais amadurecido, depois de um caminho de duas décadas trilhado a quatro, com a sábia experiência a ser o quinto elemento que pautou o desenvolvimento da personalidade da banda, salvaguardando sempre a sua liberdade de movimentos e decisões.                                    

Sónia Tavares gosta deste "Verão" que exalta as raízes dos Gift. Uma paragem natural no caminho que o coletivo tem feito desde as tais origens, acabando por ser "um dos álbuns mais genuínos" da já vasta discografia da banda.

 

 


O impulso para este disco era simples. Na génese do conceito estava a simplicidade de uma voz e um piano que foram tendo cada vez mais companhia ao longo do processo criativo. A ideia era seguir uma linha mais descomplicada, como aconteceu com Primavera, disco editado em 2012, mas as canções acabaram por assumir o comando criativo das operações. O disco tomou conta dos Gift.  

 

 

Com sonoridades grandiosas, densas e mais complexas, para Sónia Tavares, este "Verão" já ocupa o lugar de destaque nas suas preferências - um amor declarado, por diversas vezes, também na estrada. "Verão" está a ser consagrado no palco, em auditórios e teatros espalhados por todo o país, e a descrição que Sónia Tavares fez, na sua conta de Instagram, de um desses momentos - em que as novas canções respiram num ambiente intimista de partilha - diz tudo: "tem sido assim, o disco da minha vida. Cada vez mais apaixonada pelas canções"

 

 


Este regresso dos Gift aos discos contou com mais uma visita ao rico universo de Brian Eno - o famoso músico e produtor, agora já um amigo cúmplice dos quatro músicos. O homem que já uniu forças e criatividade com David Bowie ou David Byrne (só para mencionar alguns) foi coprodutor e ajudou Sónia na composição de algumas letras. 

 

 

A Brian Eno, os Gift dão essencialmente espaço para a "experiência de construir canções", sem horários ou padrões estabelecidos.  


 

 

No dia de lançamento de "Verão", os Gift fizeram questão de juntar os seus seguidores, na página oficial do Facebook, para a audição das 14 faixas. Uma gentileza que não diminui em nada a vontade de ter o disco físico perto de nós. Até porque, mais do que um CD, "Verão" é também um livro, onde não só cabe o lirismo que o compõe, como serve de abrigo à beleza solitária das imagens que ilustram esta estação em tons de azul.

Até dia 17 de maio, os Gift vão continuar na estrada com Primavera/Verão, a digressão que apresenta este "Verão" e dá um salto até ao disco "Primavera", não esquecendo a passagem por alguns dos temas mais icónicos da banda.

De palco em palco, agora em espaços mais intimistas, Sónia Tavares, Nuno Gonçalves, John Gonçalves e Miguel Ribeiro seguem caminho em nome do que mais gostam de fazer: música. Tão simples.     

 

  • Partilhar

Relacionadas

  • Gift dão a conhecer 'Verão'
    25 de março de 2019
    Gift dão a conhecer 'Verão'
  • "Verão" dos Gift começa mais cedo
    08 de março de 2019
    "Verão" dos Gift começa mais cedo
  • The Gift apresentam novo álbum no NOS Alive
    25 de janeiro de 2019
    The Gift apresentam novo álbum no NOS Alive

Caso tenha algum comentário a fazer:

Back to Top