O que fazer se for vítima de violência doméstica

O Estado e várias organizações têm números de telefone para prestar apoio e aconselhamento.

07 de março de 2019 às 16:32O que fazer se for vítima de violência doméstica

É vítima de violência doméstica, ou conhece alguma mulher ou homem que o seja?

Em caso de emergência deve ligar para o 112, um número gratuito e ininterrupto, que reencaminhará a sua chamada para os serviços de saúde ou para as autoridades policiais.

 

O Estado e várias organizações podem ajudar vítimas de violência doméstica através de linhas telefónicas de apoio. Os respectivos sites também possuem muita informação sobre violência doméstica. Para além do aconselhamento imediado, e do apoio emocional e jurídico, podem encaminhar a vítima para centros de atendimento e casas de abrigo.

- Serviço de Informação às Vítimas de Violência Doméstica - 800 202 148 (número gratuito, 24 horas por dia, 365 dias por ano, anónimo e confidencial) - www.cig.gov.pt

- Linha Nacional de Emergência Social, do Instituto da Segurança Social - 144 (número gratuito, 24 horas por dia, 365 dias por ano)

- APAV, Associação Portuguesa de Apoio à Vítima - 116 006 (a linha telefónica funciona entre as 9h e as 21h) -  www.apav.pt

 

As mulheres vítimas de violência doméstica também podem recorrer a:

- Associação de Mulheres Contra a Violência - 213 802 160 - www.amcv.org.pt

- UMAR, União Mulheres Alternativa e Resposta - 218 873 005 - www.umarfeminismos.org

 

As Câmaras Municipais também prestam apoios sociais. Ainda pode apresentar uma queixa numa esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP) ou num posto da Guarda Nacional Republicana (GNR).

 

  • Partilhar

Relacionadas

  • O que fazer se for vítima de violência doméstica
    07 de março de 2019
    O que fazer se for vítima de violência doméstica
  • Violência doméstica: PSP e GNR receberam mais de 26 mil queixas
    07 de março de 2019
    Violência doméstica: PSP e GNR receberam mais de 26 mil queixas
  • Violência doméstica: "evocar as vítimas é começar a agir"
    07 de março de 2019
    Violência doméstica: "evocar as vítimas é começar a agir"

Caso tenha algum comentário a fazer:

Back to Top