Sobrancelhas foram importantes na evolução humana

Estudo indica que comunicar através das sobrancelhas contribuiu para maior interação humana.

11 de abril de 2018 às 13:21Sobrancelhas foram importantes na evolução humana

As sobrancelhas muito móveis e capazes de exprimir emoções subtis poderão ter sido essenciais na comunicação não-verbal, na evolução humana recente, sugere um estudo realizado na Universidade de York que integrou um investigador da Universidade do Algarve (UAlg).

Ricardo Miguel Godinho, investigador do Centro Interdisciplinar de Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano (ICArHEB) da Ualg, foi um dos investigadores envolvidos no estudo que analisou a arcada supraciliar de um crânio hominídeo fóssil icónico pertencente à coleção do Museu de História Natural de Londres, adiantou a UAlg em comunicado. 

Segundo o estudo, o facto de as arcadas supraciliares se terem tornado mais pequenas devido à evolução da testa para uma forma mais vertical e suave, tornando as sobrancelhas mais visíveis e capazes de uma maior amplitude de movimentos, permitiu o desenvolvimento da comunicação não-verbal.

A comunicação não-verbal através dos movimentos das sobrancelhas, essencial na transmissão de emoções como a simpatia ou o reconhecimento terá permitido, segundo os investigadores, "uma maior compreensão e cooperação entre pessoas, essencial para a formação de redes sociais de grande dimensão". 

As espécies humanas ancestrais tinham arcadas supraciliares muito proeminentes, que poderiam funcionar como um sinal de dominância e agressividade, embora as teorias mais comuns relacionassem a sua presença com fatores espaciais, para ocupar o espaço entre a caixa craniana e as órbitas, ou mastigatórios, para a estabilização do crânio durante a mastigação.

O crânio utilizado no estudo, analisado através de técnicas computacionais de engenharia e denominado Kabwe 1, pertence àquela que é considerada por muitos como a nossa espécie ancestral, a "Homo heidelbergensis", que terá existido há 600 000 a 200 000 anos.

Este estudo contribui para o debate acerca da razão porque outros hominídeos, incluindo a espécie "Homo heidelbergensis", tinham arcadas supraciliares tão protuberantes, enquanto os "Homo sapiens" têm uma testa vertical com arcadas reduzidas.

Segundo Paul O'Higgins, da Universidade de York e coautor do artigo, "a função de comunicação não-verbal refinada da nossa testa terá inicialmente sido um efeito colateral da redução do tamanho das nossas caras nos últimos 100 000 anos". 

Este processo de redução facial acelerou nos últimos 10 000 a 20 000 anos, quando mudámos de caçadores recoletores para agricultores, um estilo de vida que resultou em menos atividade física e numa dieta menos variada e mais mole, refere.

De acordo com Penny Spikins, também professora da Universidade de York e coautora do artigo, os movimentos das sobrancelhas "permitem-nos expressar emoções complexas assim como perceber as emoções dos outros". 

Por outro lado, foi já demonstrado que pessoas que têm o movimento das sobrancelhas limitado devido, por exemplo, à aplicação de botox "são menos capazes de causar empatia e de se identificarem com as emoções de outros". 

O estudo, publicado na revista "Nature Ecology & Evolution", foi parcialmente financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.

  • Partilhar

Caso tenha algum comentário a fazer:

Back to Top