Viagem ao Uruguai: do mate aos lobos marinhos

Revista ao futebol do país, do panorama atual à sua gloriosa história, e à sua cultura (música, gastronomia e demais atrações).

04 de junho de 2018 às 14:00Viagem ao Uruguai: do mate aos lobos marinhos

Muitos ainda se espantam que um país tão pequeno como o Uruguai tenha sido bicampeão do mundo de futebol, ou que seja um dos berços do tango. O que não deve motivar tanto espanto é que a equipa celeste tenha uma das duplas de avançados mais temíveis do futebol mundial: Edinson Cavani e Luis Suárez.
 
Futebol atual
 
Uma qualificação alcançada sem sobressaltos, à frente da Argentina e da Colômbia, servem de elogios ao atual Uruguai, apontado por muitos como a seleção mais forte do Grupo A, mesmo não sendo cabeça-de-série. Pela primeira vez desde que existe o atual formato de qualificação, o Uruguai não necessitou de passar pela repescagem e respetivo play-off para chegar ao Mundial.

No apuramento da zona sul-americana, só o Brasil fez melhor, sendo mesmo o único dos nove adversários a vencer no Uruguai. Na seleção uruguaia, já não consta o nome de Diego Forlán, mas o ADN selvagem mantém-se, agora sob as ordens de Maxi Pereira, Muslera, Godin, Jimenez e, sobretudo, Suarez e Cavani. O golo está garantido com a presença dos avançados do Barcelona e do PSG, sendo mesmo considerada uma das duplas mais temíveis na competição que aí vem, tendo, juntos, marcado quase 50 golos nos respetivos campeonatos na última época.

Oscar Tabarez, de 70 anos, é o responsável técnico do Uruguai há doze anos. No mínimo, vai tentar fazer o mesmo que em 2010, quando chegou às meias-finais, na África do Sul. 

 

 

Os pequenos grandes
O Uruguai é o mais pequeno e menos populoso (cerca de três milhões e meio) que é campeão do mundo de futebol. Perdão, bicampeão do mundo. O palmarés é até de fazer inveja a nações bem mais respeitadas como Espanha, França ou Inglaterra. Aos dois títulos de campeão de mundo, juntam-se dois títulos de campeão olímpico em 1924 e em 1928 (quando ainda participavam os melhores e o futebol ainda não tinha campeonato do mundo) e o recorde de 15 Copas América (acima da Argentina e do Brasil).
 
Contra-argumentam os uruguaio-cépticos que a grandiosidade da seleção celeste é de um tempo em que o futebol internacional estava a dar os primeiros passos. Mas não foi há muito tempo que o Uruguai atingiu a quinta meia-final de um campeonato do mundo, em 2010, com a ajuda de cinco golos de Diego Forlán. E foi só há sete anos que venceram a última Copa América (o Brasil e a Argentina não são campeões sul-americanos há mais tempo).
 
Além de simultaneamente primeiros anfitriões e vencedores de um campeonato do mundo em 1930, causaram o grande choque de um Mundial, na edição de 1950, em plena casa do Brasil, ao silenciarem os duzentos mil torcedores canarinhos no Estádio do Maracanã, com a vitória de 2-1, no jogo decisivo do título. A escapadela a 11 minutos do fim do avançado uruguaio Ghiggia pelo seu flanco direito, que termina com um remate furtivo para as redes brasileiras, valeu o título de bicampeões do mundo ao Uruguai e a primeira lição a todo o planeta de que não há vencedores antecipados.
 
Mas o sucesso internacional do futebol uruguaio também encontra paralelo nos dois grandes clubes de Montevideu: o Penãrol (cinco vezes vencedor da Taça dos Libertadores e três vezes campeão intercontinental) e o Nacional (três Taças dos Libertadores e três Taças Interncontinentais) têm palmarés de gigantes internacionais. Nada mau para um país que é o segundo mais pequeno da América do Sul.
 


 
Um dos berços do tango
Não é tanga dizer que o Uruguai é um dos berços do tango - género musical também semeado no outro lado da foz do rio de la Plata, em Buenos Aires, tal como o mundo sabe. A elegante e apertada dança aos pares, perfumada sonoramente pelo acordeão, pelo piano e por violoncelo e violino, também se propagou pelos clubes e bairros pobres de Montevideu.

O movimento latino-americano de cantores de intervenção da Nueva Canción, contra as ditaduras militares dominantes, também teve os seus expoentes no Uruguai, em particular Daniel Viglietti (1939-2017), talvez o maior cantautor do país, que teve que enfrentar a prisão política e o exílio nos anos 1970. Lá fora, o músico mais reconhecido de hoje é o multifacetado Jorge Drexler, já oscarizado na categoria de Melhor Canção Original em 2005, no filme "Diários de Che Guevara".

 


Cheers, mate!
O grande produto local, que une amigos uruguaios em rodas e em cavaqueiras, é o mate, uma bebida de água aquecida em erva moída numa pequena cabaça (muitas vezes, de madeira), que é sorvida num tubo metalizado chamado de bombilla. A bebida aromática, a que os brasileiros chamam de chimarrão (muito consumida também pelos gaúchos), provém da cultura índia. É hábito os uruguaios andarem pelas ruas sempre de termo e com o restante kit para o mate. No que concerne a outras bebidas, o Uruguai tem vindo a sofisticar-se em matéria de vinhos, sabendo aproveitar o transplante transatlântico de videiras europeias, entre as quais do Alvarinho (da Galiza e do Minho), dado origem ao reputado Albariño uruguaio.   

A gastronomia uruguaia é de tal forma herdeira direta da gastronomia europeia que é difícil identificar um grande prato tipicamente uruguaio. Entre as influências exteriores, contam-se a portuguesa e brasileira, nomeadamente nas feijoadas (muito populares no Uruguai) e nos pratos de bacalhau seco e salgado.

 

 

Oceanário a céu aberto
O Uruguai é conhecido na América do Sul pelas suas estâncias balneares (marítimas e fluviais). Mas a grande atração histórica é a Colónia de Sacramento, antigo entreposto colonial português que merece o estatuto de Património da Humanidade - um conjunto de ruínas e de edifícios antigos, com algumas ruas pitorescas de um outro tempo.

Outro local uruguaio com estatuto especial, de Reserva Natural, é a pequena Isla de Lobos, com a maior colónia de lobos marinhos do mundo ocidental (250 mil) e uma colónia de 15 mil leões marinhos. Também por mares uruguaios, costumam ver-se baleias, tubarões e golfinhos.

 

 

 

  • Partilhar

Relacionadas

  • Viagem à Austrália: do boomerang aos crocodilos
    04 de junho de 2018
    Viagem à Austrália: do boomerang aos crocodilos
  • Viagem à Bélgica: da pintura flamenga à BD
    01 de junho de 2018
    Viagem à Bélgica: da pintura flamenga à BD
  • Viagem à Suiça: dos relógios ao esqui
    30 de maio de 2018
    Viagem à Suiça: dos relógios ao esqui
  • Viagem à Croácia: maravilhas da costa adriática
    30 de maio de 2018
    Viagem à Croácia: maravilhas da costa adriática
  • Viagem ao Peru: dos incas a Vargas Llosa
    29 de maio de 2018
    Viagem ao Peru: dos incas a Vargas Llosa
  • Viagem à Suécia: de Borg a Greta Garbo
    29 de maio de 2018
    Viagem à Suécia: de Borg a Greta Garbo
  • Viagem a Marrocos: dos dromedários ao chá de hortelã
    28 de maio de 2018
    Viagem a Marrocos: dos dromedários ao chá de hortelã
  • Viagem à Argentina: do tango às carnes
    28 de maio de 2018
    Viagem à Argentina: do tango às carnes
  • Viagem ao Senegal: dos baobabs aos batuques
    25 de maio de 2018
    Viagem ao Senegal: dos baobabs aos batuques

Caso tenha algum comentário a fazer:

Back to Top