Tancos: os cinco comandantes exonerados voltam às funções

Chefe do Exército volta a nomear os cinco comandantes. Material que estava em Tancos passa para outros paióis.

EPA
17 de julho de 2017 às 18:13Tancos: os cinco comandantes exonerados voltam às funções

O chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), Rovisco Duarte, voltou a nomear para os mesmos cargos os cinco comandantes que tinha exonerado para não perturbar as averiguações internas sobre o furto de material de guerra em Tancos.

"O Exército informa que os oficiais em causa foram nomeados pelo Chefe do Estado-Maior do Exército para os mesmos cargos, com efeitos a partir de 18 de julho de 2017", é referido num comunicado do Exército. 

Esta decisão foi tomada "considerando que com a conclusão destas averiguações se encontram ultrapassadas as razões que justificaram a exoneração dos comandantes".  

 A exoneração destes militares tinha sido anunciada no passado dia 01 pelo CEME, em declarações à RTP.

O porta-voz do ramo, tenente-coronel Vicente Pereira, esclareceu posteriormente que estas exonerações visavam um "afastamento temporário" e que no final das investigações internas poderiam "voltar a funções". 

Os militares que tinham sido exonerados são o comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reação Rápida, tenente-coronel Correia, o comandante do Regimento de Infantaria 15, coronel Ferreira Duarte, o comandante do Regimento de Paraquedistas, coronel Hilário Peixeiro, o comandante do Regimento de Engenharia 1, coronel Paulo Almeida, e o comandante da Unidade de Apoio de Material do Exército, coronel Amorim Ribeiro.

A decisão do CEME de exonerar os cinco comandantes de unidade suscitou polémica no Exército, com dois generais da estrutura superior do Exército a assumirem publicamente a sua discordância face à forma como o Rovisco Duarte geriu este caso. 

O tenente-general António de Faria Menezes pediu a exoneração do comando das Forças Terrestres, ocupado agora em "suplência" pelo número 2, major-general Cóias Ferreira.

A segunda "baixa" foi a do tenente-general Antunes Calçada, que pediu a passagem à reserva por, segundo noticiou o semanário Expresso, "divergências inultrapassáveis" com o CEME alegadamente devido à forma como o general Rovisco Duarte decidiu exonerar os cinco comandantes. 


O Exército acrescenta, no comunicado, que todo os material existente nos Paióis Nacionais de Tancos irá ser transferido para outros paióis.
 

  • Partilhar

Caso tenha algum comentário a fazer:

Mais Notícias

Fernando Gomes nomeado vice-presidente da FIFA
Mosquito identificado sem indícios de infeção
Queda de ultraleve faz um morto na Comporta
Sismo de 6,1 no Japão
Madrid recebe final da Liga dos Campeões
Sia lança vídeo de 'Rainbow'
Miley Cyrus volta a despir-se: desta vez para a Taschen
MAI investiga caso das licenciaturas na Protecção Civil
Avril Lavigne é a figura mais perigosa para se pesquisar na Internet
PUB
Back to Top