Cronologia: uma semana de combate às chamas na região Centro

Faz hoje um mês que começou o incêndio em Pedrógão Grande.

LUSA
17 de julho de 2017 às 10:24Cronologia: uma semana de combate às chamas na região Centro

Cronologia dos principais acontecimentos desde o início dos incêndios em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e Góis, distrito de Coimbra, a 17 de junho, até à sua extinção.

17 de junho, sábado:

14h43 -- Alerta de incêndio na localidade de Escalos Fundeiros, Pedrógão Grande. Uma testemunha, citada pelo Expresso, tirou uma fotografia às 14h38, que já mostra fogo e fumo. Nos dias seguintes, este fogo irá alastrar-se aos concelhos de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos (também em Leiria), Sertão (Castelo Branco) e Pampilhosa da Serra (Coimbra).

14h52 -- Alerta de incêndio na localidade de Fonte Limpa, no concelho de Góis. Este fogo irá nos próximos dias alastrar-se aos concelhos de Pampilhosa da Serra e Arganil, também no distrito de Coimbra.

18h48 -- Segundo os bombeiros e a GNR, várias habitações estão em risco na vila de Pedrógão Grande.

19h34 -- A GNR informa a Lusa que o Itinerário Complementar 8 (IC8), entre o nó da zona industrial de Pedrógão Grande e o nó do Outão, está cortado ao trânsito desde as 19:00.

19h45 -- Detetadas falhas de comunicações no SIRESP - Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal, segundo a Autoridade Nacional da Proteção Civil.

21h12 -- SIRESP informa que se regista a queda de três estações da rede de comunicações (Serra da Lousã, Malhadas e Pampilhosa da Serra). Às 21h29, a ANPC pede que o SIRESP utilize estações móveis. Uma das carrinhas está inoperacional e uma segunda em reparação.

23h23 -- A Lusa notícia que casas ardidas, "alguns feridos" e localidades sem luz são algumas das consequências do incêndio em Pedrógão Grande, que, a esta hora, já se tinha estendido a Figueiró dos Vinhos.

23h47 -- A agência Lusa noticia que 19 pessoas morreram no incêndio, citando o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes. Há cerca de 20 feridos contabilizados.

18 de junho, domingo:

00h35 -- O primeiro-ministro, António Costa, afirma, em Lisboa, que o incêndio em Pedrógão Grande "é seguramente a maior tragédia" em Portugal nos últimos anos. E expressa as suas condolências às famílias que perderam familiares.

01h20 - O Presidente da República dá uma palavra de ânimo e conforto aos que continuam a combater o incêndio de Pedrógão Grande e diz que "o que se fez foi o máximo que se podia fazer".

02h03 -- A ministra da Administração Interna afirma que este "momento é de dor e de pesar". Há 380 bombeiros no combate ao incêndio e a ministra Constança Urbano de Sousa anuncia que estão mais 120 a caminho.

02h27 -- Número de mortos é atualizado para 24 pelo primeiro-ministro.

03h15 - O primeiro-ministro afirma que o incêndio terá sido causado por trovoadas secas e que as vítimas estavam todas numa única estrada ou nas suas imediações. Vai ser decretado luto nacional.

03h30 -- "Há diversas povoações a arder em todo o concelho e as chamas estão a cercar a vila [de Figueiró dos Vinhos]", descreve à Lusa a vereadora da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos Marta Fernandes.

04h10 -- Sobe para 25 número de mortos.

04h05 - O comandante operacional da Proteção Civil nacional, Rui Esteves, garante que os meios de combate a incêndios enviados para Pedrógão Grande foram os adequados, mas as trovoadas secas eram imprevisíveis.

07h00 -- Número de mortos sobe para 39.

08h30 -- Sobe para 43 o número de vítimas mortais.

09h30 - Diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ), Almeida Rodrigues, diz à Lusa que o incêndio de Pedrógão Grande teve origem numa trovoada seca, afastando qualquer indício de origem criminosa.

10h00 -- Novo balanço do número de vítimas: 57 mortos.

12h00 - Aumenta para 58 o número de mortos. Partidos cancelam as suas iniciativas no fim de semana.

- O papa Francisco reza pelos mortos e feridos no incêndio em Pedrógão Grande.

13h00 -- Número de mortos sobre para 62. Há, ainda, 54 feridos. Mais tarde, é corrigido para 61 o número de vítimas mortais.

19h50 - É decretado pelo Governo três dias de luto nacional.

20h30 -- O Presidente da República apela, numa declaração no Palácio de Belém, em Lisboa, à união do país nesta "hora de dor, mas também de combate", e pede aos portugueses que guardem no imediato as interrogações que os angustiam sobre o incêndio no distrito de Leiria.

23h05 - Número de mortos confirmados aumenta para 62. 

Ministra da Administração Interna apela à paragem da doação de alimentos, "dado a vaga de solidariedade estar a criar problemas logísticos". Questionada sobre uma eventual demissão, Constança Urbano de Sousa frisa que este "não é o momento": "Este é o momento para agir e para encontrar soluções para um problema. É isso que estou aqui a fazer."

19 de junho, segunda-feira:

01h00 - Ministério Público abre inquérito criminal para determinar as causas do incêndio que começou em Pedrógão Grande.

00h40 -- Três aldeias da freguesia de Maçãs de Dona Maria, Alvaiázere, Leiria, foram evacuadas.

14h30 -- Presidente inicia uma visita às zonas afetadas -- Penela, Alvaiázere, Figueiró dos Vinhos, Cernache do Bonjardim e Góis. A meio da tarde, é conhecida a morte de um bombeiro de Castanheira de Pera, localidade que Marcelo visita ao fim do dia.

14h48 -- Os incêndios fizeram 135 feridos, entre os quais 121 civis, 13 bombeiros e um militar da GNR. Último balanço oficial aponta para 62 mortos.

16h39 - O número de mortos nos incêndios aumenta para 63, segundo o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses.

19h00 - O incêndio florestal iniciado em Pedrógão Grande já consumiu quase 26 000 hectares de floresta, segundo o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS). Esta área representa três vezes a dimensão de Lisboa (8 500 hectares) e seis vezes a do Porto (4 200 hectares).

A conjugação "pouco habitual" de fatores meteorológicos adversos e com "grande imponderabilidade" de previsão da localização levou ao incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

20h15 - O número de mortos no incêndio sobe para 64.

23h00 -- O Governo pede explicações a várias entidades, como o IPMA, GNR e SIRESP sobre o que se passou durante o fim de semana dos incêndios, anuncia, na RTP, o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes.

20 de junho, terça-feira:

09h00 - O combate ao incêndio de Pedrógão Grande continua a evoluir favoravelmente e o fogo pode ficar dominado até ao final da manhã, segundo o comandante operacional da Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto.

12h20 - O primeiro-ministro assina um despacho em que pede esclarecimento urgente sobre o funcionamento da rede SIRESP no incêndio de Pedrógão Grande e sobre os motivos da ausência de encerramento da Estrada Nacional 236-1, onde ocorreu um elevado número de mortes.

17h00 - O PSD propõe uma comissão técnica independente para apurar com detalhe o que se passou no incêndio que começou em Pedrógão Grande.

18h30 - Centenas de pessoas, emocionadas, acompanham em Sarzedas de S. Pedro, Castanheira de Pera, o funeral das primeiras seis vítimas do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande.

22h00 - O primeiro-ministro, António Costa, diz, em entrevista à TVI, não ter evidência de que tenha havido falhas no combate aos incêndios, que já fizeram 64 mortos, e garantiu manter a confiança na ministra da Administração Interna e em toda a cadeia de comando.

21 de junho, quarta-feira:

Durante a madrugada - As aldeias de Saião, Salgado e Mimosa, no concelho de Góis (Coimbra) foram "completamente evacuadas", segundo a GNR.

08h00 - Marcelo Rebelo de Sousa defende, em declarações ao Expresso, que o parlamento deve aprovar, antes das férias de verão, um pacote legislativo para a floresta (propostas do Governo e projetos do BE) para responder aos problemas levantados pelo incêndio de Pedrógão Grande.

13h00 - O Presidente da República, os ministros da Administração Interna e das Infraestruturas, autarcas e outros governantes cumprem, junto à Câmara Municipal de Pedrógão Grande, um minuto de silêncio pelas vítimas do incêndio que deflagrou no sábado neste concelho.

Na Assembleia da República, o presidente do parlamento, Ferro Rodrigues, o primeiro-ministro, António Costa, outros governantes e os deputados cumprem um minuto de silêncio nas escadarias do Palácio de São Bento. Segue-se, às 15:00, uma sessão solene de homenagem às vítimas dos incêndios.

15h30 - O ministro do Planeamento e das Infraestruturas anuncia que vão ser constituídas equipas nos municípios afetados pelo incêndio para, no máximo de dez dias, fazer o levantamento completo dos prejuízos, numa visita às áreas afetadas.

17h30 -- Presidente da República, primeiro-ministro, presidente do parlamento e líderes de todos os partidos com assento parlamentar assistem, em Castanheira de Pera, no funeral do bombeiro que morreu no combate ao incêndio de Pedrógão Grande.

19h35 -- São divulgadas as respostas do IPMA e da GNR às questões colocadas pelo primeiro-ministro. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) considera que a "dinâmica" gerada pela conjugação entre incêndio e instabilidade climatérica, em Pedrógão Grande, gerou no terreno condições excecionais para a propagação das chamas.

O Comando Geral da GNR responde que a Estrada Nacional 236-1, onde ocorreu um elevado número de mortes no sábado, foi atingida no incêndio de Pedrógão Grande de forma "inesperada e assustadoramente repentina, surpreendendo todos", vítimas e Guarda.

22 de junho, quinta-feira:

07h41 -- Segundo o comandante operacional, Carlos Tavares, o fogo que deflagrou em Góis, no distrito de Coimbra, está dominado desde as 07h41.

19h30 -- Incêndio de Góis em fase de rescaldo.

23 de junho, sexta-feira:

18h30 - Os cinco grandes incêndios que deflagraram no sábado na região Centro do país (Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Alvaiázere, Penela e Góis) consumiram quase 53 mil hectares, segundo dados provisórios divulgados à Lusa pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

20h15 -- É divulgada a resposta a António Costa da Autoridade Nacional de Proteção Civil. A ANPC assume falhas na rede SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal), entre sábado e terça-feira, no teatro de operações de combate ao incêndio de Pedrógão Grande, mas alega que foram supridas por "comunicações de redundância".

23h15 - O primeiro-ministro assina um despacho ordenando à ministra da Administração Interna que providencie junto da Secretaria-Geral do seu ministério um "cabal esclarecimento" sobre as falhas ocorridas na rede SIRESP.

24 de junho, sábado:

13h00 - O incêndio que deflagrou em Góis e que consumiu mais de 20 mil hectares é dado como extinto às 13:00, segundo o comandante operacional Carlos Tavares.

Durante a tarde, o incêndio de Pedrógão Grande é dado como extinto, uma semana depois de ter deflagrado.

25 de junho, domingo:

00h00 - Ministra da Administração Interna afirma, em entrevista à TSF e DN, que tirará "as devidas ilações" caso a comissão de peritos independentes que vai investigar o incêndio de Pedrógão Grande conclua que houve falha dos serviços que tutela.

(Fontes: Lusa, Autoridade Nacional de Proteção Civil)

  • Partilhar

Caso tenha algum comentário a fazer:

Mais Notícias

Recusada perícia às músicas de Tony Carreira por medo
Morreu a mulher mais rica do mundo
Foo Fighters no Carpool Karaoke
INE quer saber como é que os portugueses se deslocam
Fãs de Selena Gomez fascinados com o seu cachorrinho
Artistas portugueses em tributo a Leonard Cohen: "Cohen é uma referência fundamental" - Miguel Guedes
Marcelo considera urgente estatuto legal para cuidadores de doentes de Alzheimer
Governo garante mecanismo de atualização das pensões
China inaugura hoje comboio mais rápido do Mundo
PUB
Back to Top