Incêndio resultou de conjugação "pouco habitual" de fatores e "grande imponderabilidade"

Informação avançada em conferência de imprensa, esta tarde, pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, dois dias após o incêndio de Pedrogão Grande.

LUSA
19 de junho de 2017 às 19:52Incêndio resultou de conjugação "pouco habitual" de fatores e "grande imponderabilidade"

Conjugação "pouco habitual" de fatores meteorológicos adversos e com "grande imponderabilidade" de previsão da localização levou ao incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). 

A informação foi prestada hoje em conferência de imprensa, na sede do IPMA, em Lisboa.  

Temperatura muito elevada, baixa humidade, ausência de chuva, descargas elétricas associadas a trovoada seca, mudança de direção de vento muito rápida e reduzida água no solo foram os fatores enumerados. 

O presidente do IPMA, Jorge Miguel Miranda, disse que se tratou de "uma conjugação de fatores adversos" e "pouco habitual", realçando a "impossibilidade técnica e a grande imponderabilidade" de prever um incêndio de tais proporções "naquele sítio, àquela hora".

Jorge Miranda admitiu que a "área desestruturada" do local em que deflagrou o fogo - "uma mistura arbórea que não é favorável", zonas agrícolas de minifúndio e terrenos com declive - facilitou a propagação das chamas.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera esclareceu que foram registadas descargas elétricas na região Centro, no sábado, coincidindo com o início do incêndio, mas o sistema de deteção remota do IPMA, com sensores instalados em Braga, Castelo Branco, Olhão e Lisboa, não permite identificar a localização exata das emissões das descargas.

O sistema "não é cem por cento fiável", apenas conseguindo prever a emissão de descargas elétricas "em alguns distritos do continente", reconheceu Nuno Moreira, dirigente da Divisão de Previsão Meteorológica, Vigilância e Serviços Espaciais, acrescentando que "há muitas incertezas na previsão de trovoadas" em termos dos sítios onde vão ocorrer.

Nuno Moreira recordou que o aviso meteorológico emitido previa apenas a possibilidade de ocorrência de trovoadas em alguns distritos.

O IPMA estima que as descargas elétricas associadas a trovoadas secas - trovoadas que provocam relâmpagos, mas em que a chuva evapora-se antes de chegar ao solo - possam continuar hoje na região Centro e junto à fronteira espanhola.

Nuno Moreira assinalou, ainda, que o aviso de risco elevado de incêndio emitido para o fim-de-semana passado não abrangia o distrito de Leiria, ao qual pertence Pedrógão Grande e os concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, por onde as chamas se expandiram.

No sábado, precisou, a humidade rondava os 10 a 20 por cento e, nalguns sítios do território continental, a temperatura superou máximos históricos para o mês de junho, com a mínima a atingir nalguns pontos os 26ºC.

O presidente do IPMA, Jorge Miguel Miranda, avisou que "o clima está em mudança" e que as pessoas têm de se "adaptar a essa mudança" e apelou a uma "cultura resiliência".

"Temos de nos preparar para uma catástrofe natural", vincou, referindo que "o trabalho de casa" para minimizar o impacto de fenómenos meteorológicos, que "vão aumentar no futuro", tem de ser feito com "um esforço legislativo, financeiro, social, político", envolvendo todos, desde famílias a Governo. 

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O mais recente balanço dá conta de 63 mortos e 135 feridos.

Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

Além de Pedrógão Grande, existem quatro grandes fogos a lavrar nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco. Em todo o País, os fogos mobilizam um total de cerca de 2.155 operacionais, 666 veículos e 21 meios aéreos.

  • Partilhar

Caso tenha algum comentário a fazer:

Mais Notícias

Helicóptero de combate aos fogos cai em Castro Daire
Corpos das portuguesas mortas em Barcelona entregues às famílias
Câmara de Lisboa reforça segurança na cidade
Incêndio de Ribeira de Pena está dominado
Incêndio da Covilhã obriga a ativar planos de emergência
Corpos de vítimas portuguesas trasladados na segunda-feira
Marcelo e Costa na missa de homenagem em Barcelona
Incêndio de Mação está extinto
Leões goleiam em Guimarães
PUB
Back to Top