The Joshua Tree foi o álbum que mais prazer deu aos U2

10 de março de 2017 às 10:15The Joshua Tree foi o álbum que mais prazer deu aos U2

Para celebrar os trinta anos do álbum "Joshua Tree", os U2 - o vocalista Bono, o guitarrista The Edge, o baixista Adam Clayton e o baterista Larry Mullen Jr - estiveram a responder nesta madrugada a 11 perguntas de fãs via Facebook, e a uma (ou melhor, três) de um admirador especial: Chris Martin dos Coldplay.

Nesta sessão de perguntas e respostas que devia durar 11 minutos, e que podem ver em baixo, Bono revelou que Joshua Tree "foi o álbum dos U2 que mais prazer deu fazer". A opinião é corroborada por The Edge para quem o trabalho para o disco na casa de Adam Clayton foi "inspirador, em vez de estarmos numa pequena sala fria com uma luz vermelha ligada".

As boas memórias de The Edge alargam-se aos concertos à época: "A digressão do Joshua Tree foi a primeira dos U2 em que éramos realmente populares, com fãs à espera no hotel, fãs à espera à saída dos recintos. Tinhamos que fugir deles, e eu só queria dizer-lhes adeus, mesmo que não pudesse estar com eles", recorda The Edge, que se lembra de uma situação insólita quando viu "um grupo de pessoas fora do hotel. E eu acenei-lhes mas eles não me respondiam, o que me deixou surpreso. Mas depois apercebo-me que era apenas uma fila de pessoas à espera do autocarro".

Há mais revelações caricatas neste directo online. Por exemplo, o técnico de estúdio Pat McCarthy (que chegou a produzir mais tarde os R.E.M.) salvou o tema 'Where the Streets Have No Name', que Brian Eno não queria aproveitar, num incidente que envolveu um pequeno-almoço de salsichas que, segundo The Edge, "acabou no chão mas a faixa foi salva".

Bono recorda nesta sessão de perguntas que 'Where the Streets Have No Name' foi inspirado por uma viagem com a sua esposa Ali à Etiópia, e também pela sua preocupação com os problemas na Irlanda do Norte entre protestantes e católicos.

Mas houve mais experiências inspiradoras: o Live Aid em 1985 e a digressão com a Amnistia Internacional em 1986 mobilizaram Bono para um dos seus temas preferidos, 'Bullet the Blue Sky'. A viagem humanitária de Bono à Nicarágua e a El Salvador também o inspiraram para o tema 'Mothers of Disappeared', sobre o movimento cívico de mulheres que perderam os seus filhos, raptados (e muitas vezes mortos) pelos regimes militares da Argentina e do Chile. "Vi coisas em El Salvador que preferia não ter visto, como corpos a serem projectados para fora de carros, encontrei uma mãe cujos filhos tinham desaparecido".

Outra revelação caricata é a de Bono que chegou a trabalhar aos 16 anos como vendedor de sapatos em Dublin - segundo o próprio, é a primeira vez que faz esta revelação em público.

 

  • Partilhar

Relacionadas

01 de dezembro de 2016
Canções inspiradas pela sida
10 de junho de 2016
De que clubes são os músicos estrangeiros
13 de abril de 2016
Bono sugere comédia para combater terrorismo
09 de março de 2017
Joshua Tree dos U2 saiu há 30 anos

Caso tenha algum comentário a fazer:

Mais Notícias

Quatro pessoas assassinadas em Barcelos
Carlos Moedas acredita que os jovens vão segurar o projecto europeu
Capicua e Valete: single do novo projecto lusobrasileiro na próxima sexta
Fernando Santos espera Hungria diferente do Euro 2016
PS, PSD e Bloco reagem à redução do défice para 2,1% em 2016
Hora de Verão: a hora muda na madrugada de sábado para domingo
Novo álbum de Kendrick Lamar sai a 4 de Abril
Défice público nos 2,1%. O mais baixo da democracia
Combustíveis voltam a baixar
Back to Top