APA garante eficácia na medição da qualidade do ar em Setúbal

17 de fevereiro de 2017 às 13:46APA garante eficácia na medição da qualidade do ar em Setúbal

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) garante que a qualidade do ar em Setúbal foi devidamente acompanhada e monitorizada, na sequência do incêndio que deflagrou esta semana nos armazéns de enxofre da fábrica SAPEC.

A resposta surge depois do jornal Público ter noticiado hoje que uma avaria na unidade móvel da APA atrasou a medição de enxofre no ar em Setúbal.

Em comunicado enviado à Rádio Comercial, a Agência Portuguesa do Ambiente refere que "o recurso a uma unidade móvel de monitorização de qualidade do ar não teria relevância". A entidade garante que "os meios existentes, as estações, os modelos e a estrutura de acompanhamento permitiram acompanhar a ocorrência de forma eficaz".

A APA assegura que "neste momento, continuam a registar-se valores de dióxido de enxofre muito abaixo do valor limite, não representando qualquer risco para a saúde humana".

O presidente da Associação Ambientalista Zero considera que houve uma "subavaliação das consequências" do fumo do enxofre em Setúbal. Em declarações à Rádio Comercial, Francisco Ferreira diz que é preciso apurar a responsabilidades.

 

 

O especialista em qualidade do ar alerta ainda as autoridades para prossiveis problemas na saúde a longo prazo.

 

 

O incêndio que deflagrou na madrugada de terça-feira nos armazéns de enxofre da SAPEC provocou ferimentos ligeiros em 20 pessoas, entre as quais 10 bombeiros e quatro crianças. O fogo só foi considerado extinto na quinta-feira.

  • Partilhar

Caso tenha algum comentário a fazer:

Mais Notícias

Greve dos enfermeiros desconvocada
Operadoras de telecomunicações podem ter de corrigir preços
The Avalanches no NOS Alive
Paulo Gonzo nos lançamentos de hoje
Costa agradece aos portugueses "grande compreensão" pelo esforço feito
Trabalhadora do IKEA morre em Loulé
Eleições no Vitória de Setúbal
Fernando Santos espera Hungria diferente do Euro 2016
PS, PSD e Bloco reagem à redução do défice para 2,1% em 2016
Back to Top