"Nessa altura havia profunda rivalidade. Mas, depois, grandes almoços"

Figura de proa da comunicação em Portugal, José Nuno Martins foi uma das primeiras vozes da Rádio Comercial. Quatro décadas depois regressa, emocionado, ao lugar da primeira "praxe" radiofónica.

PUB (0:)

"Sente-se falta da rádio. Isto aqui é mágico."

José Nuno Martins, autor, realizador e produtor de rádio e televisão, entre muitas outras coisas que preenchem o seu vasto currículo, é uma das diversas figuras que dão corpo à história da Rádio Comercial.

Aqui chegou na década de 60, ainda adolescente, para o então RCP (Rádio Clube Português) e acompanhou a transformação da emissora em Rádio Comercial. Detentor de uma voz singular, rapidamente se destacou, assinando vários programas que ficaram para história como Interiores ou Os Cantores do Rádio onde dava a conhecer a música popular brasileira. Fez parte de outros, onde partilhava o microfone com outros grandes vultos da comunicação: Carlos Cruz, João David Nunes, Fialho Gouveia, Carlos Pinto Coelho...

40 anos depois, volta à casa de partida "comovido e com a cabeça e coração tocados pelas memórias" de um espaço que lhe "parece agora mais pequeno." Bom, talvez seja o Zé Nuno que, com o seu 1,87m, está hoje um pouco mais alto...

Diz que não é um bom contador de histórias, das suas histórias. Até porque "não guardo muitas, vivia isto muito intensamente, repartia o tempo entre a rádio e as aulas", justifica. Mas recorda bem o dia do casting para entrar para a rádio e da praxe que sofreu quando os técnicos que "penduraram um microfone pesadíssimo ao pescoço porque diziam tinha a voz demasiado grave e aquilo ajudava".

Passados todos estes anos, não consegue estar longe da rádio. "Sente-se falta da rádio. Isto aqui é mágico e hoje ainda mais. Evoluiu muito, hoje é muito mais confortável, mais meios, é muito melhor do que naquela altura."

Olha para a Rádio Comercial de hoje, líder de audiências, como um desafio para quem a faz. "Lembro-me que na minha altura já era desafiante, hoje ainda será mais. Porque colocam todos os dias a fasquia muito alta e depois é preciso superar essa fasquia no dia seguinte."

Considera, com modéstia, que o seu contributo para a história da Comercial é pequeno. Por outro lado, "a Comercial sim, faz parte da minha história, foi determinante... as amizades, os prazeres, as dúvidas, os desafios, as dúvidas... marcaram muito, marcam muito a minha vida até como ouvinte."

Neste regresso à Rua Sampaio e Pina, José Nuno Martins diz ter encontrado "profissionais muito conscientes, cada um no seu trabalho como eu fazia. Está-se bem aqui! Por isso, ouçam a Comercial, é o melhor tributo que podem fazer a estes profissionais."

  • Partilhar